O Jogo ao Vivo

Documentário

Bulimia e depressão. Vanessa Fernandes assume ter sido "escrava do próprio sucesso"

Bulimia e depressão. Vanessa Fernandes assume ter sido "escrava do próprio sucesso"

A triatleta Vanessa Fernandes assumiu ter sido "escrava do próprio sucesso", que culminou com a conquista da medalha de prata nos Jogos Olímpicos Pequim2008, nos quais alinhou já doente e com a missão de "sofrer, sofrer, sofrer".

Treze anos depois, Vanessa Fernandes protagoniza a curta-metragem "72 Horas", sobre os três dias anteriores à conquista olímpica, reconhecendo ter competido já com o diagnóstico de depressão.

"O meu objetivo era sempre o mesmo, ganhar e ser a melhor", recordou no seu depoimento a atleta natural de Perosinho, em Vila Nova de Gaia, admitindo que os distúrbios alimentares começaram quando deixou de comer a pensar nos segundos que podia ganhar.

Com uma vida dedicada ao Alto Rendimento, deixando os estudos aos 16 anos, quando frequentava no 10.º ano, Vanessa Fernandes não descartou a sua responsabilidade: "Só discutia porque achava que nunca era suficiente o que eu andava".

"Vamos aguentar mais um bocado e logo se vê. O que me permiti a mim, permiti que os outros me fizessem [...]. Se for aos Jogos, passar a meta e buscar a medalha e morrer a seguir, está tudo bem", afirmou a gaiense, na curta-metragem realizada por Miguel C. Saraiva e produzida pela empresa de apostas desportivas Betclic.

PUB

Na contagem decrescente para a prova feminina dos Jogos Pequim2008, em 18 de agosto, Vanessa Fernandes recordou os "episódios bulímicos constante, [em que] comia compulsivamente e vomitava", num comportamento não de um atleta, mas "de alguém que está doente".

"Eu gostava dos dias pré-prova, era como se fosses buscar o máximo de coisas para arranjar prazer. Há desculpa para descansar um pouco mais, para comer mais, para não treinar tanto e eu aproveitava", referiu, salientando que, na altura, sentia "euforia e felicidade, por poder comer depois da prova".

No dia da prova, ganha pela australiana Emma Snowsill, Vanessa Fernandes contou com o importante apoio da mãe, que viajou pela primeira e única vez de avião para a acompanhar em Pequim. "A minha mãe segurou muita coisa, é incrível, parece que estou a ver isso. Ela assegurou que eu não me desligasse", vincou.

Depois, "foi a vida inteira num dia".

"Entrei num espetáculo. Mergulhei, dentro de água, ainda me lembro do cheiro [...] dentro da guerra, da arena, e, lá dentro, é lutar até ao fim. Entras no modo perfeito de uma máquina de competição. Na transição para a corrida, nem me chateei ir para a frente, quase quis uma desculpa. Eu ia buscar uma medalha, porque eu quase já tinha excluído a hipótese de ganhar", disse.

A mensagem que ouvia durante a prova era que era preciso "sofrer, sofrer, sofrer" e até "sofrer até morrer". "Ainda querem que eu dê mais", questionava Vanessa Fernandes, reconhecendo que esses estímulos lhe conferiam "bué raiva" e uma enorme vontade de se libertar.

"Era como se me tivesse deixado de ser escrava do meu próprio sucesso. Para mim, já estava a ser muito e eu diluí-me na obtenção desse resultado", realçou.

Já com a prata olímpica, depois do título mundial em 2007 e dos cinco títulos europeus absolutos, Vanessa Fernandes sentiu ter chegado ao limite. "Estava com depressão, chegou a um ponto em que tive de pedir ajuda, caso contrário ia destruir-me. Fui internada. Foi um grande caminho para acordar para o meu desenvolvimento pessoal e, depois, veio vida, paz, harmonia, vem a realidade", concluiu.

"Sempre tive muitos apoiantes, Portugal sempre me apoiou, e também acho que devem saber onde estou, porque desapareci muito rapidamente", admitiu Vanessa Fernandes, de 36 anos, em declarações aos jornalistas após a antestreia da curta-metragem "72 horas antes".

Nesse sentido, a atleta confessa que sofreu com o fim da carreira, após ter sido suplente na maratona nos Jogos Rio2016, e tentado, no ano seguinte, o regresso ao triatlo.

"Estão a ver uma ressaca? É mais ou menos assim. Quando saí do desporto senti esse impacto. É o desvincular de uma identidade, quebrando tudo o que acreditei sobre mim durante a carreira, para entrar numa nova vida e uma nova linha de pensamento. A viver o mais simples possível", admitiu.

Numa mudança que, segundo a própria, é radical e relaxante. "Fui tão habituada a viver com estímulos, para ganhar, para conquistar prémios, dinheiro, fama e patrocínios. E agora tenho de saber viver nessa simplicidade e é um alívio muito grande. Preciso de pouco para me amar e é nessa simplicidade que me vou encontrando e me sinto bem. E tenho também tentado resgatar a minha parte feminina, que foi aniquilada durante muitos anos", explicou.

Admitindo que gostaria de ser treinadora ou ter um papel na formação de jovens, Vanessa Fernandes deixou alguns conselhos a jovens atletas que possam estar a replicar o seu percurso: "Respeita sempre os teus limites e faz apenas o que estás preparada para fazer. E dizer não, quando tivesse de dizer não".

"Não era a questão de desistir, acho que era de fazer as coisas de maneira diferente e de enfrentar o outro. Às vezes encaramos os treinadores como deuses, quem manda, a quem não se pode dizer que não. Se calhar, devia, quando estava a ser difícil, devia ter dito basta, tendo uma comunicação completamente diferente", salientou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG