Inglaterra-Itália

Onde estavam os mais velhos quando os miúdos se chegaram à frente nos penáltis?

Onde estavam os mais velhos quando os miúdos se chegaram à frente nos penáltis?

A responsabilidade de bater o penálti que podia manter vivo o sonho inglês de vencer um título europeu foi posta aos ombros de um adolescente, Bukayo Sako, de 19 anos. "E os mais velhos e experientes?", perguntam personalidades do futebol como Mourinho ou Keane.

Com jogadores experientes como Sterling, Stones, Shaw, por exemplo, em campo o selecionador britânico, Gareth Southgate atribuiu a responsabilidade dos três últimos penáltis a três dos mais jovens da equipa. Marcus Rashford (23 anos) e Jadon Sancho (21) entraram a um minuto do fim para o lugar dos trintões Kyle Walker e Jordan Henderson, ambos jogadores com muitos anos de experiência em jogos decisivos.

"Para mim, enquanto treinador, é difícil perceber as trocas de Walker e Henderson por Rashford e Sancho", comentou o treinador português José Mourinho, numa análise transmitida pela rádio "TalkSport", esta segunda-feira de manhã, comentando os falhanços de Rashford e Sancho. "Para eles é muito difícil entrar e bater um penálti depois de tocarem uma ou duas vezes na bola", acrescentou.

O quinto e decisivo penálti ficou nos ombros de um miúdo de 19 anos. "Para Saka, que ficou com o destino da sua equipa nas mãos, é demasiado", disse Mourinho. "É especialmente duro deixar Saka como responsável pelo último. Penso que é muita coisa para um miúdo ter tamanha responsabilidade nos ombros naquele momento", acrescentou, deixando algumas dúvidas.

"Não sei se tenho de perguntar ao Gareth ou aos outros jogadores que, quando deviam estar ali, não estavam", acrescentou o novo treinador da Roma, em Itália. "Onde estava Sterling? Onde estava John Stones? E Luke Shaw?"

Itália falhou dois penáltis, mas ganhou. Porque a Inglaterra falhou três. E pelos mais jovens da equipa, depois de os experientes Kane e Maguire terem colocado os ingleses em vantagem (2-1), após o falhanço de Belotti, no segundo pontapé dos italianos. Rashford, que podia cimentar a vantagem, chutou ao poste e os mais novos que o seguiram não passaram pelo guarda-redes italiano.

PUB

"Escolhi que marcava os penáltis, foi minha a responsabilidade. Foi minha a decisão dar o último penálti a Saka", revelou o selecionador inglês, Gareth Southgate, após o jogo. "Trabalhámos os penáltis com eles nos treinos, era uma aposta", justificou o selecionador.

Uma justificação que não agrada a todos. "Se és o Sterling ou o Grealish, não podes simplesmente ficar ali parado a ver um miúdo a passar-te à frente para marcar um penálti. Não podes deixar um rapaz tímido de 19 anos fazê-lo", disse o ex-capitão do Manchester United, Roy Keane, em declarações ao canal de televisão ITV. "Eles têm muito mais experiência. O Sterling já ganhou troféus, precisavam de ter tomado essa responsabilidade em vez do Saka", acrescentou.

Um dos visados foi quase tão rápido nas redes sociais como em campo e não deixou Keane sem resposta. "Eu disse que queria bater um penálti", afirma Jack Grealish, na conta pessoal do Twitter. "Gareth tomou muitas decisões certas ao longo do torneio e também o fez neste jogo. Mas não vou admitir que as pessoas digam que eu não queria bater um penálti quando disse que queria", acrescentou o talentoso jogador do Aston Villa.

O ex-companheiro de equipa de Keane no Manchester Unietd, Gary Neville, saiu em defesa do selecionador britânico. "A escolha dos marcadores terá sido científica, certamente feita com base e dados", argumentou o antigo defesa inglês. "Certamente trabalharam a marcação dos penalties durante os treinos nas últimas semanas e registaram quem marcou mais, quem tinha melhores referências", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG