Entrevista

Cristiano Ronaldo e o golo de bicicleta à Juve: "Melhor do que sexo? Com a minha Gio, não"

Cristiano Ronaldo e o golo de bicicleta à Juve: "Melhor do que sexo? Com a minha Gio, não"

Na entrevista ao canal de televisão britânico ITV, Cristiano Ronaldo escolheu o golo de bicicleta que marcou frente à Juventus, na última época ao serviço do Real Madrid, como o melhor tento da carreira e destacou a importância do papel da mãe, Dolores Aveiro.

"O golo à Juventus é o meu favorito. De longe... Tecnicamente é complicado fazer aquilo. Tentei marcar este golo durante muitos anos. Tenho tantos e nunca tinha conseguido. Foi fenomenal. Um golo lindo, de bicicleta. Acho que nunca tinha visto um golo de bicicleta assim. A forma como saltei, contra o Buffon, contra a Juventus na Champions... Provavelmente um dos melhores de sempre. Melhor do que sexo? Com a minha Gio, não", disse, entre risos, Cristiano Ronaldo em entrevista à ITV.

O craque português destacou ainda a importância da mãe, Dolores Aveiro, na sua carreira e lamentou o preço alto que teve de pagar por querer ser o melhor do mundo: a falta de privacidade.

"A minha mãe era o pilar da família e o que tenho hoje deve-se a ela. Ela acompanha-me em tudo. Já desmaiou duas vezes nos estádios. Ela não pode ver esses jogos e tem-se afastado um pouco. Já lhe disse que não a posso perder", confessou.

"Ser o melhor? É aborrecido, para ser honesto. Há uma parte que é fantástica, porque sou famoso, marco golos e ganho troféus. Mas após 10 anos... já vês a coisa de outra maneira. Tens uma família e queres ter privacidade. E eu não tenho isso há 10 anos. Não vou chorar por causa disso, mas não poder sair de casa é complicado. Os meus filhos ficam nervosos, a minha namorada também", acrescentou.

Relativamente a Cristianinho, que também joga na Juventus, o craque português disse esperar que o filho mais velho siga as pisadas do pai: "Espero que ele [Cristianinho] seja como eu, mas ele será o que quiser. Sem pressão. Talvez um pouquinho só de pressão".

"A minha obsessão pela vitória ajuda-me muito. Bater recordes é parte de mim. Eu não persigo os recordes, eles é que me perseguem. Sou viciado no sucesso. E não acho que isso seja mau. Motiva-me. E se alguma coisa não te motiva, não vale a pena", afirmou o internacional português.