Itália

Cristiano Ronaldo exige 19,9 milhões de euros à Juventus

Cristiano Ronaldo exige 19,9 milhões de euros à Juventus

A imprensa italiana garante, este domingo, que Cristiano Ronaldo pediu uma cópia dos documentos da Juventus que estão na base do processo de crime fiscal que o clube enfrenta e vai exigir 19,9 milhões de euros referentes a alegados salários em atraso.

Cristiano Ronaldo já não é jogador da Juventus há duas épocas mas vê agora o nome ligado ao clube italiano, por motivos fiscais. Segundo a "Gazzetta dello Sport", o capitão da seleção nacional pediu à equipa de Turim, a 4 de novembro, através de um advogado, uma cópia dos documentos da Juventus que estão na base do processo de crime fiscal que o clube enfrenta e que levou à demissão em bloco da administração "bianconera". A mesma publicação garante que o jogador português tem "interesse" no processo, uma vez que vai reclamar uma dívida de 19,9 milhões de euros, referente a alegados salários em atraso nos meses de paragem devido à pandemia de covid-19.

PUB

Ainda segundo ao "Corriere della Sera", que teve acesso a escutas telefónicas do CEO da Juventus, o nome do avançado surge várias vezes e sempre em alusão à "carta Ronaldo", documento em que terá ficado escrito o acordo de pagamento dos 19,8 milhões em causa. Segundo os procuradores, esse pagamento não existiu, mas foi, sim, adiado para temporadas seguintes, o que permitiu à Juventus melhorar de forma artificial o seu balanço financeiro.

"Deve ser enfatizado que da consulta do relatório financeiro até 30 de junho de 2021, nenhuma informação relativa a esta matéria é encontrada e, mais do que isso, através das escutas realizadas, confirma-se a persistência de elementos de opacidade nesta situação", escreve a publicação.

No entanto, o CEO da Juventus, Maurizio Arrivabene, negou aos procuradores que a "Vecchia Signora" tenha qualquer dívida com Cristiano Ronaldo, garantindo que tudo está pago, algo que o internacional português nega, assegurando não ter recebido nenhuma verba.

Segundo adiantou o "Tuttosport", em março de 2020 e sem receitas devido à pandemia, a Juventus chegou a um acordo com vários jogadores para uma redução de remuneração por quatro meses até ao final dessa época, o que permitiria uma poupança de 90 milhões de euros no orçamento

Nesta altura, as autoridades italianas estão a investigar alegadas manobras fiscais da Juventus, relacionadas com a inflação fictícia dos preços de mercado dos jogadores para obter maiores lucros numa posterior transferência, e o adiamento de pagamentos a jogadores no exercício de 2020, marcado pela pandemia de covid-19. A investigação levou ao despedimento em bloco de membros da direção do clube de Turim, entre eles o presidente Andrea Agnelli e o vice-presidente Pavel Nedved.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG