"Só aparece a tirar fotos"

Ex-presidente da Juventus critica fuga de Ronaldo para a Madeira

Ex-presidente da Juventus critica fuga de Ronaldo para a Madeira

Giovanni Cobolli Gigli, presidente da Juventus entre 2006 e 2009, teceu críticas ao clube por ter permitido que Cristiano Ronaldo viajasse para a Madeira no início da pandemia em Itália para dar assistência à mãe, que sofreu um AVC.

Segundo o ex-dirigente da Vecchia Signora, o tratamento diferenciado dado ao português levou a que outros colegas de equipa seguissem o exemplo e saíssem do país.

"Criticar agora é fácil, mas, visto de fora, não percebo porque é que alguns jogadores quiseram sair de Itália. Quando regressarem será mais difícil voltarem a ter forma, porque terão de ficar 14 dias de quarentena. A coisa, na Juventus, complicou-se quando Cristiano Ronaldo se foi embora", afirmou o antigo presidente.

O plantel da Juventus está de quarentena, depois de três jogadores - o italiano Daniele Rugani, o francês Matiuidi e o argentino Dybala - terem acusado positivo no teste ao coronavírus. CR7 submeteu-se a dois testes na Madeira, nas ambos resultaram negativos.

As críticas surgiram depois da publicação de fotografias no craque na piscina ou com a família no ginásio, como a que uma das irmãs publicou na rede social Instagram.

"O Ronaldo disse que foi por causa da mãe, mas agora só aparece a tirar fotos na piscina. Quando se abriu a exceção para Ronaldo, a situação descambou e outros quiseram ir embora. Não devia ter sido assim. Deviam ter ficado todos de quarentena", rematou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG