Futebol

"Pediram-nos 12 milhões por Cristiano Ronaldo e a festa acabou"

"Pediram-nos 12 milhões por Cristiano Ronaldo e a festa acabou"

Augusto César Lendoiro, antigo presidente do Deportivo da Corunha, revelou memórias sobre os primeiros vídeos de Cristiano Ronaldo e também assegurou que o empresário Jorge Mendes fez muita força para colocar Deco a jogar de azul e branco, mas na equipa da Galiza

"O Beci, que era secretário técnico do Deportivo na altura, viu o Ronaldo jogar e avisou-nos. A partir daí comecei a ver vídeos dele com 17 ou 18 anos e perguntámos o seu preço. Pediram-nos 11 ou 12 milhões e aí a festa acabou. Para nós esse valor era inalcançável. O jogador pelo qual tínhamos pago mais tinha sido o Rivaldo, que nos custou seis milhões de euros. O Cristiano era um miúdo que não sabíamos o que poderia dar, ainda que víssemos coisas espetaculares dele, mas chegou o Manchester United, pagou os doze milhões e ficou com ele", revelou Lendoiro, em Espanha, mostrando-se naturalmente triste por a transferência de CR7, do Sporting para o Deportivo, não se ter consumado.

Nesse caso, foram apenas questões financeiras que travaram o negócio, mas o caso de Deco, que também foi alvo do clube espanhol, as coisas foram diferentes.

"O Beci, que tinha previsto que o Ronaldo seria um grandíssimo jogador, não viu isso no Deco, nem mesmo depois de uma insistência terrível do Jorge Mendes. Disse-lhe várias vezes 'mas como não viste?'. Não o contratámos por maus relatórios, que supostamente não superava aquilo que tínhamos, mas estava com um bom preço. Ainda assim, diga-se que tínhamos gente muito importante no nosso meio campo", completou o antigo líder do Super Deportivo.

Imobusiness