Liga inglesa

Cresceu rodeado por drogas e gangues e agora é uma estrela em Inglaterra

Cresceu rodeado por drogas e gangues e agora é uma estrela em Inglaterra

Adama Traoré cresceu num bairro pobre em Barcelona, onde conviveu com drogas, armas e gangues. Manteve o foco em ser jogador profissional de futebol e hoje é um dos melhores jogadores do Wolves de Nuno Espírito Santo.

Adama Traoré nasceu em La Florida Hospitalet, um bairro pobre nas redondezas de Barcelona. O seu pai mudou-se do Mali para a cidade espanhola e constituiu família num dos locais com mais imigrantes da cidade.

O futebol entrou na sua vida porque os seus pais queriam que ele fosse mais disciplinado e praticasse um desporto. Rapidamente se apaixonou pelo futebol e começou a jogar com o irmão num campo do bairro.

"Eu e o meu irmão ficámos conhecidos porque eu comecei a jogar no Barcelona e ele no Espanhol, toda a gente na zona queria jogar contra nós. Fazíamos pequenos torneios, a nossa equipa contra todos os outros. Como ganhávamos sempre, as pessoas começavam a dizer 'Há dois rapazes escuros que são mesmo bons jogadores' ", referiu Adama, em entrevista ao jornal "Sport".

Traoré revela que no bairro havia pessoas de vários países e que o ambiente era multicultural. Jogou com marroquinos, dominicanos, espanhóis e outros africanos. Quem fosse bom entrava para a equipa e isso era o principal. O ambiente nos jogos era quase sempre bom, mas havia encontros em que era necessário a presença de um árbitro por causa das discussões.

Foi o futebol que o afastou de maus caminhos, facilmente percorríveis no bairro onde vivia. Havia lutas, gangues e outros problemas, mas no final do dia, o futebol unia-os a todos. Ainda assim, a pressão para se juntar a um gangue era grande.

"Sim, muitas vezes. Naquela altura, fazer parte de um gangue era o que te tornava popular. Mas nós tínhamos outra mentalidade. Queríamos tornar-nos jogadores profissionais e não fazer parte de um gangue. Eu via lutas quase todos os dias", acrescentou.

"Eu cheguei a estar em lutas, claro. Na escola onde andei havia vários gangues e eles lutavam constantemente. Vi lutas com tacos, facas, garrafas...tudo!", referiu.

Adama explicou que teve alguns problemas com o Barcelona e que por isso teve de tomar a decisão de sair em 2015, acabando por ir para o Aston Villa. Regressado ao bairro, um ano depois de ter saído do clube, os seus amigos nem o reconheciam. Hoje em dia ainda visita o lugar onde cresceu.

"O campo onde jogava já não está lá, mas gostava de colocar lá um no futuro. É importante para os mais jovens se focarem noutras coisas, coisas saudáveis, como o desporto", finalizou.

Adama Traoré é hoje um dos principais jogadores do Wolves, equipa treinada por Nuno Espírito Santo, e que conta com oito portugueses no plantel. Já marcou cinco golos e fez oito assistências em todas as competições. É um futebolista explosivo, muito rápido, com um drible muito bom e surpreende pela sua estrutura física.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG