Exclusivo

Dínamo e o futebol dão a cara pela resistência

Dínamo e o futebol dão a cara pela resistência

Adversário das águias joga na Polónia, preparou a época longe de casa e recolhe fundos para urgências humanitárias. Liga vai arrancar.

Que uma equipa da Ucrânia esteja a competir nesta altura chegou a parecer improvável, até impossível, não há muito tempo. Hoje, contudo, esse facto é também uma das bandeiras da retaliação do país aos abusos perpetrados pela Rússia desde o final de fevereiro, numa guerra que ainda não tem fim à vista. Cidades foram destruídas, milhares de vidas eliminadas, despedaçadas e mutiladas nas suas ambições. Mas a Ucrânia aguenta-se, muitas vezes heroicamente, com o futebol a emergir como uma das provas dessa resistência e o Dínamo Kiev a estar na linha da frente.

Quando, a 16 de junho, voltou ao trabalho, quase quatro meses depois do final abrupto e brutal de 2021/22, também o Dínamo Kiev não era o mesmo. O futebol já não era a única preocupação - se calhar, nem a mais importante - e a preparação de 2022/23 explica isso mesmo. A equipa comandada por Mircea Lucescu só esteve quatro dias da pré-época em Kiev, dividindo-se depois entre Roménia, Suíça, onde passou a maior parte do tempo, França e Polónia, onde disputa os jogos internacionais por imposição da UEFA. Atrás dela levou a "Global Tour for Peace" e um manifesto de sensibilização contra a guerra: todo o dinheiro arrecadado em receitas de bilheteira dos jogos particulares e donativos apoiou "questões humanitárias", como "alimentação, medicamentos e apoio a refugiados".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG