Tóquio 2020

Diogo Abreu e Filipa Martins falham finais na ginástica

Diogo Abreu e Filipa Martins falham finais na ginástica

A ginástica portuguesa falhou as finais dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, com Diogo Abreu, 11.º nos trampolins, e Filipa Martins, 43.ª na artística, a ficarem longe das decisões, ainda que o ginasta do Sporting tenha melhorado o registo pessoal.

Este sábado, no Centro de Ginástica de Ariake, o atleta luso de 27 anos conseguiu um total de 93.420 pontos na qualificação, a mais de 20 pontos do primeiro classificado, o bielorrusso Ivan Litvinovich.

Na primeira série, de exercícios obrigatórios, registou 52.135 pontos, o sétimo melhor registo, o que o colocaria na final, destinada aos oito melhores.

Na segunda rotina, os exercícios livres, aconteceu-lhe o mesmo que no Rio 2016, ao sair fora do trampolim, conseguindo apenas 41.285 pontos, o que, somado, chegou para o 11.º melhor registo entre os 16 participantes.

A penalização tirou-o do sétimo lugar, em que tinha acabado a primeira rotina, e atirou-o para o 11.º, numa qualificação azarada para vários atletas, muitos deles com o mesmo destino do português.

Apesar do resultado negativo, conseguiu melhorar em relação ao 16.º do Rio 2016, em que se estreou e também saiu do trampolim à segunda.

"Foi sempre melhor do que no Rio, mas estamos aqui para fazer os 10 saltos das duas séries, vou ficar obviamente triste. O meu balanço positivo tem mais a ver com a experiência de estar aqui, após um processo bastante mais longo do que o normal para me apurar", explicou, na zona mista.

PUB

Antes, no "all around", a ginasta portuense Filipa Martins, que tinha sido 37.ª no Rio 2016, o melhor resultado luso de sempre na prova, foi 43.ª colocada, com 52.298 pontos, com a última apurada para as 24 finalistas a ser a 31.ª, a alemã Kim Bui, com 53.398 pontos.

Nas paralelas assimétricas, nas quais criou o "movimento Martins", Filipa foi 17.ª classificada, com 14.300 pontos, sendo a multicampeã olímpica Simone Biles, 10ª, a garantir a oitava vaga, com 14.566.

Nas outras três provas, ficou mais distante da qualificação, nomeadamente na trave, em que, com uma queda antes da saída, se ficou pelo 69.º posto, com 11.886 pontos, e no solo, ao ser 46.ª, com 12.666, enquanto no cavalo somou 13.466 pontos, com a qualificação fixada nos 14.616 pontos.

"Podia ter sido um bocadinho melhor na trave, só. O resto foi 'top'. Na trave foi um dos esquemas mais limpos que tive tirando a falha na saída. Estou muito contente com a minha prestação. Estive super bem nos aparelhos. Estou mesmo super contente", admitiu, após a prova.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG