Pandemia

"Doideira" inesperada na Nazaré leva autarquia a ponderar novas medidas

"Doideira" inesperada na Nazaré leva autarquia a ponderar novas medidas

A afluência inesperada às encostas da Praia do Norte e do Forte de São Miguel de Arcanjo para assistir às acrobacias dos surfistas nas ondas gigantes da Nazaré vai levar a autarquia a ponderar novas medidas para situações semelhantes no futuro, devido à dificuldade em fazer cumprir as regras sanitárias impostas pela pandemia.

"Olhando para as situações que não são eventos, como os de hoje, naturalmente vamos ter que os ponderar porque também não estamos disponíveis para a doideira que aqui tem estado a acontecer, com uma grande intervenção e esforço de todos para que as regras sejam cumpridas", afirmou ao JN Walter Chicharro, presidente da Câmara Municipal de Nazaré.

Após ter sido anunciado, através das redes sociais, que, durante os dias de quarta e quinta-feira, estariam reunidas as condições para o fenómeno das ondas gigantes, milhares de pessoas tomaram de assalto as encostas junto ao canhão da Nazaré.

Às oito horas da manhã, a multidão desmesurada levou ao reforço das medidas de segurança no local, com dispositivos da Proteção Civil montado e reunião às 10 horas da manhã com todas as autoridades competentes, nomeadamente a Capitania do Porto da Nazaré, Bombeiros da Nazaré, Polícia Municipal e autarquia. O trânsito automóvel, que até então estava condicionado, foi proibido, bem como o acesso pedonal à zona do forte.

Pouco a pouco, ao longo da manhã e com o reforço do patrulhamento em diversas frentes, a multidão foi-se espalhando e muitas desceram até ao areal. No entanto, e apesar de todos os esforços por parte das autoridades e demais entidades, as regras sanitárias como a utilização de máscara e o distanciamento social foram difíceis de cumprir pela maioria.

"O que é facto é que por mais medidas que se executem e por mais meios que tenhamos, nunca serão os necessários para tanta gente que possa estar numa área que não é fechada, que tem entrada por todo o lado e que traz um conjunto de problemas adicionais ao controlo daqueles que aqui estão. Ainda assim, aquilo que temos vindo a fazer é implementar medidas na sensibilização para que esta realidade que vivemos não seja privada ainda mais", explicou o presidente da autarquia.

Apesar da surpresa, a previsão de "ondulação grande" nos dias 28 e 29 de outubro tinha sido comunicada pela autarquia. "As previsões apontam para a entrada de um swell bem como para a movimentação dos big riders dentro de água, na expectativa de apanharem a onda das suas carreiras desportivas", podia ler-se em comunicado.

Outras Notícias