F. C. Porto

Unplugged Dragão. Um trompete a vibrar contra o vírus

Unplugged Dragão. Um trompete a vibrar contra o vírus

A marcha e o hino do F. C. Porto, a Alegria de Beethoven, o Malhão e uma dimensão teatral e folclórica das novas sociabilidades, impostas pela pandemia. Em confinamento criativo, o Trompetista do Dragão reedita a atmosfera do estádio e dá concertos diários aos vizinhos.

Não é só o vírus que é altamente contagioso. A solidariedade entre vizinhos também se propaga da mesma maneira, nas mais variadas manifestações de entreajuda. Cada um dá o que pode e António Lourenço, o "Trompetista das Antas", personagem-tipo do F. C. Porto, dá o trompete, para concertos diários. É uma partilha comunitária, que recria a atmosfera do Dragão e do Dragãozinho, num ambiente recetivo e controlado, também de grande exaltação clubística, não fosse o bairro um bastião esmagadoramente portista.

Por estes dias de angústia coletiva, um tripeiro de gema, de 82 anos (Sé, 6-8-1937), vai à varanda de casa, em Ermesinde, e toca trompete para a vizinhança. Se possível, duas vezes ao dia, à hora do almoço e ao final da tarde. Começa pelo Malhão, "um cântico de Portugal", percorre toda partitura que executa nos estádios - a Marcha e o Hino do F. C. Porto, o "Pinto da Costa"... - e encerra sempre com o Hino da Alegria, do "grande Beethoven". E toda a rua canta e aplaude.

"É uma maneira de combater o stress e o medo. E uma forma de dar algum conforto aos vizinhos. Ainda hoje [ontem] fui à varanda das traseiras e toquei para uns miúdos. E eles retribuíram: Pooooooooto! É muito reconfortante criar e recriar estas ligações. E eu próprio sinto o apoio das pessoas", felicita-se este ferrenho portista.

Praticante e militante do Dragão, sócio 11 771 e figura incontornável do universo dragoniano, toca "para todos, sem distinção". "A rua é grande e não conheço toda a gente, mas a esmagadora maioria é portista. Não tenho retorno de qualquer reação negativa. Também não conheço dissidentes por aqui...", sorri.

Por fim, uma velha sentença portista: "Até os comemos, aos vírus!".

Varandas da solidariedade

Tivesse algum mérito, que nem mérito se chama, à maldita pandemia do novo coronavírus sempre se lhe pode reconhecer o condão de despertar nas pessoas novas sociabilidades, remotas mas reveladoras de relações e sentimentos que se julgavam perdidos e que foram redescobertos, em Itália, em Espanha e por onde assola o vírus. E o hábito pegou por essas varandas afora: em Milão, em Roma, em Nápoles, canta-se "Fratelli d"Italia" e muitas outras árias das claques do futebol; em Madrid, em Valência ou em Sevilha ensaia-se "La Macarena" e "Viva España". O mesmo sucede em Ermesinde: "Foi aí que me inspirei. Vi na televisão e ocorreu-me fazer aqui o mesmo. Porque a música é um bálsamo", diz António Lourenço.