O Jogo ao Vivo

Mini-entrevista

"É fácil uma mulher conduzir"

"É fácil uma mulher conduzir"

Michèle Mouton, França, 57 anos.

Como surgiu a ideia de criar a ROC?

Quando parei, eu e o meu parceiro, o Fredrik Johnsson, pensámos que nos ralis todos têm carros diferentes e, no final do ano, um é campeão. E, então, pensámos que o melhor era fazer uma prova em que todos conduzissem o mesmo carro. Por isso, criámos a primeira ROC em Paris, em 1988. E depois temos vindo a crescer.

Este ano decidiram transferir a prova para outro país e ceder a organização...

É como uma pequena corrida, só com oito países. Temos uma corrida portuguesa, depois a Ibéria e no final a ROC do Sul da Europa. Não conseguíamos fazer tantas corridas.

Está satisfeita com os resultados?

Sim. Esperemos que o estádio encha. A cada dois minutos, temos um vencedor. É um grande espectáculo.

PUB

Decidiu, também pela primeira vez, fazer uma exibição na ROC...

Porque é em Portugal, onde tenho muitos fãs e as pessoas são sempre muito simpáticas. Gosto muito do país e tenho boas memórias.

Sente falta da competição?

Não, parei há mais de 20 anos. A carreira não dura para sempre. Tenho muitas outras coisas para fazer e é preciso esquecer o que está para trás. A minha filha está aqui, a trabalhar comigo. Foi bom, mas é passado e não futuro.

O que é mais difícil: organizar ou participar numa prova?

Quando estamos numa corrida só pensamos em nós e temos quem pense por nós. Quando organizámos, pensamos em todos os outros. É o oposto. Acho mais fácil conduzir.

Continua a ser a única mulher a ter ganho um rali. É difícil imporem-se num desporto masculino?

Nos ralis não é difícil, pois todos conduzimos um carro, não lutamos. Por isso, é fácil uma mulher conduzir. Eu fiz, portanto, não é assim tão complicado.

No futuro será fácil ver mais mulheres neste desporto?

Gostava de ver mais jovens nos desportos motorizados em geral. Mas, hoje, não há tempo para nada.

Outras Notícias