Brasil

E vão cinco. Flamengo de Jorge Jesus vence a Supertaça sul-americana

E vão cinco. Flamengo de Jorge Jesus vence a Supertaça sul-americana

O Flamengo conquistou na quarta-feira a Supertaça sul-americana, ao vencer os equatorianos do Independiente Del Valle por 3-0, no Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro. É o quinto título do clube ao comando de Jorge Jesus.

Depois do empate a dois golos no Equador, o conjunto brasileiro venceu com tentos de Gabigol, aos 19 minutos, e Gerson, aos 62 e 89, num embate em que atuou reduzido a 10 unidades desde os 23 minutos, por expulsão de Willian Arão.

Num jogo em que quem vencesse arrecadava o troféu, após o 2-2 no Equador, o ex-avançado do Benfica marcou o primeiro golo, aos 19 minutos, e, depois de Arão deixar os brasileiros desfalcados, teve influência decisiva nos outros dois, apontados por Gerson, aos 62 e 89.

Gabigol, que já tinha "bisado" na final da Taça Libertadores (2-1 ao River Plate) e marcado um golo na Supertaça brasileira (3-0 ao Athlético Paranaense), voltou, assim, a ser o herói do "Fla". Destaque também para Gerson, pelos dois golos, depois de ver um amarelo logo aos 15 minutos, e para o guarda-redes Diego Alves, que, aos 55, evitou, com a ponta da chuteira direita, que Faravelli, isolado, restabelecesse a igualdade.

Em termos coletivos, e mesmo sem bola, o Flamengo também foi muito melhor e somou mais um título na era Jorge Jesus, o quinto, depois da Taça Libertadores e do campeonato brasileiro, em 2019, e da Supertaça brasileira e da Taça Guanabara, já este ano.

Em relação ao encontro da primeira mão, Jesus trocou os lesionados Rodrigo Caio e Bruno Henrique por Léo Pereira e Gabriel Barbosa e, por opção, colocou Pedro em vez de Diego, enquanto, nos equatorianos, Preciado substituiu Fernando Guerrero.

Depois de início equilibrado, o Flamengo fez duas ameaças aos 18 minutos e marcou aos 19, após falhas da defesa contrária: Faravelli fez um balão para trás, Segóvia, de cabeça, um chapéu ao seu guarda-redes, que, com a ponta dos dedos, desviou para a barra, mas ficou impotente para deter o remate de Gabigol.

Os brasileiros ficaram em vantagem na eliminatória, mas a situação complicou-se aos 21 minutos, com uma entrada muito dura de Willian Arão, que o árbitro considerou merecedora de vermelho direto, depois de consultar as imagens.

Com 10 unidades a partir dos 23 minutos, Jesus trocou, aos 27, um avançado (Pedro) por um médio (Thiago Maia), e o 'Fla' passou a ter, naturalmente, menos tempo a posse da bola, tornando-se menos ofensivo e mais compacto a defender.

O Independiente assumiu o comando e foi tentando, mas raramente conseguiu ameaçar, destacando-se apenas um remate de Pellerano que Diego Alves deteve com dificuldades (42 minutos), enquanto, do outro lado, Gabigol, sozinho, fez tremer Pinos (34).

Após o intervalo, e perante um Flamengo na expectativa, os equatorianos continuaram a 'mandar' e, mesmo desconexos, quase empataram aos 55 minutos, com Preciado a isolar Faravelli e este, incrédulo, a permitir a defesa a Diego Alves, com o pé direito.

Os equatorianos perdoaram e, sete minutos depois, o conjunto de Jorge Jesus matou o jogo, com Gabigol a fugir pela direita e a centrar para a área, onde Preciado cortou, mas para Gerson, que dominou mal, mas ainda a tempo de rematar bem e bater Pinos.

Com o segundo golo sofrido, o Independiente 'desistiu' e acabou também por acabar com 10 unidades, por expulsão de Cabeza, já aos 86 minutos.

No 10 contra 10 final, o Flamengo também foi superior e chegou ao terceiro golo, aos 89 minutos, com Gabriel Barbosa a isolar Vitinho, que perdeu tempo e espaço e acabou por passar a bola a Gerson, para este fechar o resultado com toda a classe do mundo.

Outras Notícias