Espanha

"Em Espanha há gente que me odeia", refere Mourinho sobre o seu futuro

"Em Espanha há gente que me odeia", refere Mourinho sobre o seu futuro

O treinador da equipa de futebol do Real Madrid, José Mourinho, garante que não tomou qualquer decisão sobre o seu futuro, mas afirmou que em Inglaterra se sente querido, enquanto em Espanha há gente que o odeia.

"Sei que em Inglaterra sou desejado pelos adeptos, pelos meios de comunicação social. De uma forma justa, criticam-me quando têm de fazê-lo, mas dão-me mérito quando mereço. Em Espanha, a situação é diferente, porque há quem me odeia e muitos deles estão nesta sala", afirmou o treinador português em conferência de imprensa, após a eliminação do Real Madrid nas meias-finais da Liga dos Campeões, perante o Borussia de Dortmund.

Após o triunfo por 2-0, insuficiente para anular a derrota por 4-1 sofrida na Alemanha, Mourinho disse é que "é complicado tomar uma decisão" porque gosta do clube e quer ser "sincero e justo", remetendo para o final da temporada.

PUB

"Não tomei uma decisão porque tenho um contrato e, mais do que um contrato, que no futebol se quebra quando as pessoas querem, tenho respeito pelo clube e pelo presidente, pelo que quero esperar até ao final da temporada. Quero ganhar a final [da Taça do Rei], ser segundo na Liga e logo vejo o que Florentino Pérez, meu amigo, quer", acrescentou.

O técnico, que já passou por Inglaterra, onde foi treinador do Chelsea, sublinhou que gosta de estar onde o desejem e lhe deem total apoio em todas as áreas. "Veremos o que se passa no final. O Real Madrid é muito mais importante do que eu".

"Não é importante se eu continuo ou não, mas sim que o Real Madrid continue e alcance a final. O Madrid conquistou muitas Taças dos Campeões, esteve muitos anos sem consegui-lo e, depois da sétima, da oitava e da nona, chegou aos quartos de final e às meias-finais quando tinha perdido a credibilidade na competição", recordou.

Mourinho, que levou os "blancos" a três meias-finais consecutivas, diz que o Real Madrid "recuperou a credibilidade", mas sublinhou que o clube "não vive de 'quases'".

"Tem de ganhar [a Liga dos Campeões] no futuro. E esse dia chegará. Quando? Não sei. Se não for comigo, é-me igual, porque quando estou num clube tenho empatia por ele, e o Real Madrid tem de ganhar a décima comigo ou sem mim", acrescentou.

Sobre a atuação de Cristiano Ronaldo, Mourinho disse que o extremo internacional português "jogou a cem por cento", pelo menos de início.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG