17.05.2018

Conteúdo Patrocinado

Emoções ao rubro na superespecial de Lousada

Emoções ao rubro na superespecial de Lousada

O Rali de Portugal, sexta prova do campeonato do mundo, passou esta quinta-feira por Lousada, Porto. O estónio Ott Tänak (Toyota Yaris) venceu o primeiro troço cronometrado. Já Joaquim Alves (Skoda Fabia R5) foi o melhor português nesta superespecial.

Joaquim Alves (Skoda Fabia R5) foi nesta quinta-feira o melhor português na superespecial de Lousada, no primeiro dia do Rali de Portugal 2018 marcado pelos problemas mecânicos de José Pedro Fontes, obrigado a desistir.

Percorreu os 3,36 quilómetros do Eurocircuito da Costilha, em Lousada, em 2.44,7 minutos, menos 10,3 segundos do que o vencedor, o estónio Ott Tanak (Toyota Yaris WRC).

Nas contas para o nacional de ralis, Joaquim Alves foi um décimo mais rápido do que Pedro Meireles (Skoda Fabia R5) e parte para as oito classificativas de sexta-feira seis décimos de vantagem sobre Miguel Barbosa (Skoda Fabia R5), sete décimos para Diogo Salvi (Skoda Fabia R5) e 1,8 segundos sobre Armindo Araújo (Hyundai i20R5), que fechou o 'top-5' dos portugueses.

Quanto a José Pedro Fontes, foi 'traído' por um problema eletrónico no motor do seu novo Citroen C3R5, que estreia nesta prova, e não compareceu na especial de Lousada. O ex-campeão nacional, que regressa ao Rali de Portugal após o grave acidente na época passada, se alinhar à partida para o dia de sexta, vai sofrer uma penalização de 10 minutos, o que hipoteca as suas ambições em ser o melhor português no Rali de Portugal.

Também Manuel Castro (Hyundai i20 R5), voltou a não ser feliz no Rali de Portugal. Depois de na edição de 2017 ter visto o seu Hyundai incendiar-se durante o reabastecimento, este ano não conseguiu alinhar em Lousada, obrigado a desistir com problemas na caixa de velocidades.

O Rali de Portugal, sexta prova do campeonato do mundo, é a quarta etapa Nacional, e decorre até domingo. Para as contas do Nacional, apenas contam as 12 primeiras classificativas da primeira etapa, ou seja, até final da secção da manhã de sábado. São 229,34 km contra o cronómetro.

Ricardo Moura é o atual líder do campeonato, e uma das principais ausências na prova, assim como Carlos Vieira, campeão em título e segundo classificado no Nacional.

Os 10 melhores nesta superespecial, que abriu a edição 2018 do Rali de Portugal, foram mais rápidos que o vencedor em 2017, atestando a evolução dos novos carros oficiais do mundial (WRC)

Os mais rápidos nos 3,36 quilómetros do Eurocircuito da Costilha, num misto de terra e alcatrão, todos das equipas oficiais, adotaram uma condução rápida, sem erros aparentes, e, sem surpresa, tiraram cerca de dois segundos ao melhor registo (2.36,6 minutos) alcançado em 2017.

ver mais vídeos