Teste de produto

Asics Evoride, vamos lá (tentar) bater recordes

Asics Evoride, vamos lá (tentar) bater recordes

Calma, não disparem! É verdade que as sapatilhas não fazem o atleta. Se assim fosse, a carteira mais recheada estava sempre nos Jogos Olímpicos. Mas, só por um momento, se isso fosse possível, talvez as EvoRide da Asics fossem a escolha mais certeira para afinar desempenho.

É uma história de amor com a Asics. E, como qualquer romance que se preze, está cheia de altos e baixos. Desde que começámos a correr, tanto no monte como na estrada, que as sapatilhas da Asics fazem parte do nosso armário. Ora alinham-se os astros e sentimos que aquele modelo é perfeito para nós, como as incontornáveis Nimbus, ora passamos para outra marca, sem vontade de olhar para trás.

Há um ano, a Asics apresentou um protótipo de corrida, as MetaRide. Não eram para qualquer bolsa - custavam 250 euros. Mas, com isto, mais do que aumentar as vendas, a Asics apresentou um novo paradigma nas sapatilhas de corrida com a tecnologia Guidesole. Uma camada mais firme de espuma (FlyteFoam) que proporciona um amortecimento base e uma segunda camada que dá à sola uma sensação de impulso a cada passada.

Apresentado o "ovo de colombo", era uma questão de tempo até se democratizar em modelos acessíveis a todos. Eis então que surgem as EvoRide.

Abrir e caixa e pegar em ... penas?

Fomos presenteados com um modelo de cor branca. Diz-nos a experiência que as sapatilhas brancas de corrida só ficam brancas quando estão na montra, mas a estética não afeta a performance. Pegámos nelas e são leves como penas. Estamos a falar de 258 gramas para umas sapatilhas de corrida. A questão com sapatilhas leves é sempre a mesma: será que o amortecimento foi comprometido em favor do peso?

Pés ao caminho

Corremos, até agora, perto de 80 quilómetros com elas. É o primeiro modelo da Asics em que não sentimos aquilo a que chamam de "break in". Isto é, não houve período de adaptação. Na primeira corrida foi como se já fôssemos amigos de longa data. A resposta no impulso é surpreendente. Não sentimos o típico amortecimento mole do gel absorvente nas Asics. São mais duras no calcanhar, mas com um impulso acima do normal.

A malha superior é perfeita para os dias quentes. O pé está sempre fresco, porque o tecido é muito arejado e ajuda o pé a não "cozer" dentro da sapatilha.

Marcámos um recorde pessoal num treino de 15 quilómetros, por isso saltaram logo para o top de sapatilhas a usar em treinos de velocidade.

Resumindo

As Asics EvoRide são o afinar de um protótipo que se quer democratizar. Estão dentro da média de valores das sapatilhas de corrida topo de gama, o que faz delas concorrentes diretas para aquelas "lebres" que ajustam tudo ao milímetro para baixar tempos. Sem querer tipificá-las, acreditamos que são sapatilhas para corredores experientes e podem muito bem vir a ser um modelo canonizado como as Nimbus. Vamos esperar para ver.

Nota: As sapatilhas foram cedidas pela marca.

Preço recomendado: 130€

Outras Notícias