Testemunho

Algarviana Ultra Trail 2019, o amor à amizade

Algarviana Ultra Trail 2019, o amor à amizade

O ultramaratonista Rui Pinho conta na primeira pessoa o regresso ao ALUT - Algarviana Ultra Trail. Uma história com dores, bolhas, amizades improváveis e muito amor pela corrida.

Dizer o que nos faz tentar correr 300 quilómetros por serras, cerros e barrancos, numa permanente luta contra as adversidades e contra o tempo - que é limitado entre todas as etapas -, é um exercício difícil de concretizar. Já explicar o que nos leva a repetir uma experiência destas, passa de difícil a possível, quando, imediatamente depois de a terminarmos, sentimos saudade do conforto que todo aquele "staff" nos transmite, e descarregamos num choro mais ou menos encapotado toda a emoção que fomos acumulando ao longo de um caminho árduo que nos levou até ali, à tão desejada Ponta de Sagres.

Numa prova de mais de 300 quilómetros, o apoio tem uma importância significativa. Tão significativa que depois do sono reposto, e do regresso a casa, todas as palavras ditas e escritas vão diretas a quem nos incentiva, acarinha ou suporta no terreno, sem esperar nada mais que talvez um sorriso em troca, fazendo deste Algarviana Ultra Trail um hino à amizade.

Diz a sabedoria popular que os melhores amigos se fazem nas adversidades - "no hospital, na tropa ou na cadeia"-, isto talvez porque quando estamos mais vulneráveis, nos juntamos a quem conhece e partilha dos nossos receios, males ou fraquezas. Nos trilhos é habitual encontrarmos gente que jamais esqueceremos. É ainda mais habitual vivermos momentos inesquecíveis, com o inevitável colocar de marcos onde as emoções se refletem na superfície da pele e nos fazem arrepiar de cada vez que as invocamos.

Nas 11 bases de vida da ALUT, há gente que nos acolhe nos braços com a ternura de quem protege seres demasiado frágeis, e a bravura de quem admira os afoitos guerreiros que numa marcha gloriosa vão vencendo hordas de inimigos. Somos todos soldados de um exército em batalha contra os elementos de uma serra que não faz reféns, como provam as dezenas de baixas que provoca a cada edição. Feridos, mas não tombados, a principal onda de atletas segue os soldados mais capazes, personificados nos que mais rapidamente cruzam todo o percurso. Pelo caminho, ao contrário das guerras a sério, não se fazem reféns, fazem-se amigos.

Entre tantos guerreiros e permanentes batalhas, há reforços que vão chegando e outros que por lá andam, que nos confortam na partida e chegada de cada uma das 11 encadeadas lutas. Braços de outros recolhem-nos, tomamo-los como nossos, açambarcamos o conforto que nos proporcionam e fazemos deles nossos. Fazemos em cada cara repetida um amigo antigo e em cada cara nova reclamamos a sua dedicada amizade.

Soldados que soçobram às batalhas juntam-se ao exército da nossa - dos que ficam -, salvação. À medida que as horas passam e a Serra do Caldeirão e o seu nascer do sol único vão ficando para trás, aumenta um em detrimento do outro. Os resistentes vão desistindo, os desistentes resistindo e os combatentes insistindo.

A partir da segunda noite, os que de nós gostam ou de nós têm dó, rumam ao Algarve serrano em nosso socorro. Sem poderem batalhar a nosso lado, juntam-se aos exércitos que nos aguardam quartel a quartel, enchendo-nos de brio e orgulho, embebedando-nos com mimo, transformando o conforto em motivação para os podermos ver de novo a todos, conhecidos, amigos antigos e recentes. Assim vamos lutando e vencendo uns todas as 11 batalhas, outros umas quantas de um lado, as outras do outro, sem nunca despirem a pele de lutadores.

Nas lutas com os trilhos, para além de amigos, somamos inimigos. As bolhas, o frio, o sono, o cansaço, as pedras do caminho, a chuva intensa e fria embrulhada pelo denso nevoeiro da Fóia, a fome ou o enjoo, a sede, os pés e as pernas que latejam a cada passo serpenteado por Monchique rumo à Picota que tarda em chegar.

Entre dias e montes curtos e noites e subidas mais ou menos longas, a maior luz é a dos sorrisos que nos esperam, das vozes que imaginamos nas mensagem que lemos ou que ouvimos nas raras alturas em que a rede permite uma chamada, o telefonema a que todos temos direito, mesmo sendo reféns das nossas decisões. Continuamos km a km, base a base até ao glorioso caminho final que nos faz entrar num pequeno paraíso com que sonhamos desde Alcoutim: A Ponta de Sagres e o seu Farol. Ali, entramos com todos os que nos trouxeram caminho fora, amigos chegados, amigos desconhecidos, amigos que jamais esqueceremos.

Num cantinho inesquecível desta minha viagem ficam a Flor, o Rui, a São, o António, o Carlos, o Teodoro, o Conceição, o Germano, o Bruno, a Fátima, a Alexandra, a Liliana, o Gabriel, a Cláudia, o Jorge, o João, o José e tantos outros que correram a meu lado ou tão só me deram um minuto de si, que significou muito mais para mim.

A juntar aos amigos humanos, em mais uma edição do ALUT, não podia faltar uma companhia "animal". Na etapa mais desafiante para o cérebro e para o corpo - a 9ª, de Marmelete a Barão de S. João - uma etapa de 36 km que normalmente ocupa grande parte da 3ª noite, juntou-se a mim e ao António, o "Tiro" da Fóia, um cão gigante com ares de pastor, preto, que nos acompanhou até ao abastecimento e que, ali chegado, se deitou ao meu lado a dormir. Tinha corrido mais de 40 km desde casa, onde regressou no dia seguinte, depois de contactado o dono. Amigável e simpático, protegeu-nos das investidas de matilhas de pequenos canídeos agressivos e foi-nos alegrando o caminho. Um amigo improvável, de onde menos esperávamos, numa terra onde são seguramente mais que os humanos.

Neste cocktail de "gente" boa, juntaram-se dois fundamentais amigos: O Miguel e o João Paulo, que vieram do Porto segurar-me nos ombros até à meta e levar-me ao "colo" até casa.

É por isto que voltamos, pela amizade e pela luta. Pela dor e pela glória. Pelo desconhecido que sabemos que vai ser nosso amigo e pelos nossos amigos que sabemos não nos abandonarem nunca. Pelas noites longas e pelo céu polvilhado pela forte luz das estrelas que, aqui e ali, caem em direção ao infinito, pelos nascer e pôr do sol, pelos que nos esperam por ali, horas a fio. Partimos e chegamos todos juntos.

O ALUT é o lado do Algarve mais genuíno e reconfortante. É um caldeirão onde se misturam a amizade e a resistência, temperados com o recôndito onde não se chega sem alma. Uma sana loucura.

É o amor à amizade.

Outras Notícias