Exclusivo

Em cima do cavalo sente-se a dona do Mundo

Em cima do cavalo sente-se a dona do Mundo

"O sonho comanda a vida, e quem comanda o sonho somos nós próprios". Começou a trote, mas já compete a galope. Ana Mota Veiga começou no hipismo com 20 anos, e hoje, com ​​​​​​​46, está perto de garantir a segunda qualificação para os Jogos Paralímpicos, depois de ter marcado presença no Rio de Janeiro, em 2016, ano em que foi a única portuguesa na categoria de paradressage.

A cavaleira com paralisia cerebral teve o primeiro contacto com cavalos por questões de saúde: "Sempre tive animais e um dia a minha mãe comprou-me um cavalo para tratar a minha doença que afeta o desenvolvimento motor". Hoje em dia, inspira e expira hipismo, contagia todos com o amor aos cavalos e faz qualquer um gostar da modalidade.

Começou a competir em 2009, mas como todos os caminhos têm obstáculos, o de Ana tem sido uma estrada com alguns buracos. Para além da dificuldade em arranjar um centro hípico para treinar, viveu o pesadelo da equitação, em 2014. Já em preparação para os Jogos Olímpicos do Rio, enfrentou um dos "maiores desafios" de que tem memória.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG