Saúde

Correr dá quilómetros ao cérebro

Meia Maratona do Douro Vinhateiro

Foto José Carmo / Global Imagens

Que a corrida tem benefícios na saúde toda a gente sabe. Mas já pensou na influência da sua corrida matinal na massa de neurónios que carrega acima dos ombros?

A corrida melhora os indicadores de doenças cardiovasculares e metabólicas e, para muitos, é o medicamento mais eficaz no controlo dos contextos stressores diários. Mas vamos ao efeito no cérebro.

A verdade é que o cérebro dos mamíferos tem uma capacidade enorme de se reestruturar e adaptar em resposta a novos estímulos, sejam eles comportamentais, alimentares, motores ou ambientais. Como tal, a evidência sobre o efeito do exercício aeróbio na função e estrutura cerebral tem crescido e apoiado os seus benefícios.

Mas que benefícios são esses?

Pois bem, alguns dos estudos realizados até agora utilizaram na sua amostra roedores e os achados são interessantes. Nos ratos corredores foi no hipocampo, estrutura cerebral essencial para os processos de memorização e aprendizagem, que se registaram mais modificações: crescimento de novos neurónios (processo denominado de neurogénese), aumento do número de ligações entre neurónios (sinapses) e maior expansão das suas terminações. Pela estrutura altamente adaptável que o cérebro é, estes efeitos tornaram-se evidentes, nos roedores, ao fim de 12 dias!

Sabe-se, também, que os benefícios vão para além das alterações da estrutura cerebral. Observou-se que os mensageiros da informação entre neurónios (neurotransmissores), que travam a formação de novas células, diminuíram a sua força e, simultaneamente, aqueles que estimulam o crescimento celular aumentaram a sua atividade. Pensa-se que esta será uma das justificações mais viáveis para as modificações estruturais do cérebro.

Resultado? Os ratos que correram durante um mês apresentaram duas a três vezes mais novos neurónios no hipocampo do que os sedentários!

Nos humanos, os estudos realizados são esperançosos e esclarecedores. A corrida induziu modificações estruturais e funcionais no cérebro: formação de novas redes de vascularização no hipocampo (o tal bocadinho de cérebro importante na aprendizagem e memória) e aumento de 1 a 2% no seu volume.

Com isso, quando testadas, observou-se melhoria na performance de tarefas de recordação de figuras complexas e na eficiência da memória espacial. O melhor de tudo isto? Estes benefícios foram encontrados desde os mais novos até aos mais graúdos!

Embora os investigadores considerem necessários mais estudos para melhor entenderem as variáveis que influenciam estes fenómenos, eles acreditam que, pelo aumento da sobrevivência celular induzida pela corrida, esta pode ter um papel fundamental no controlo dos processos neurodegenerativos relacionados com a perda de memória.

Para além disso, o aumento do número de novos neurónios no hipocampo, bem como da eficiência das suas ligações, melhora as pré-condições de aprendizagem, podendo beneficiar o processo de aquisição e codificação de memórias.

Sem dúvida uma estratégia mais barata e natural do que medicamentos que prometem potenciar o desempenho mental! Pois bem, como diz Heikki Kainulainen, cientista finlandês que se tem debruçado sobre o tema: "Running gives your brain a workout". Corra, mexa-se e deixe que o exercício beneficie a sua vida. De graça.

Boas corridas!

* fisioterapeuta ROPE®, Reabilitação e Otimização de Performance/Clínicas Nuno Mendes