Portugueses lá fora

Perder o medo às motos onde o budismo até chega ao futebol

Luís Viegas é casado com a tailandesa Natchanam

Foto D.r.

O analista está há cinco anos na capital multicultural da Tailândia, Banguecoque.

"Parece que foi ontem", mas já foi há cerca de cinco anos que Luís Viegas se fixou na Tailândia. Contraiu matrimónio, habitou-se ao trânsito "infernal", adaptou-se a uma realidade "totalmente diferente", tomou o gosto à comida asiática e rendeu-se aos tailandeses. Só o idioma ainda atrapalha um bocado. "Sei o básico para me desenrascar no dia a dia e no futebol", acrescenta o analista português, que não esquece aquela vez em que uma simples bateria lhe deu demasiado que fazer. "É que ainda por cima eles não dizem os "erres". Eu dizia "batery" e ninguém entendia. Só quando mostrei a imagem é que perceberam. É "bately" que eles dizem", recorda, entre risos.

Banguecoque não é só a grande metrópole tailandesa e aquele cocktail multicultural, onde há espaço para tudo e mais alguma coisa, até à mesa. Se lá, Luís Viegas já provou a gastronomia "da Malásia, do Japão, da China, do Vietname", também já teve que perder o medo aos transportes de duas rodas. "Noutras cidades, vê-se elefantes na rua, mas aqui é impensável. O trânsito é infernal, só de mototáxi nos safamos, senão é uma hora para fazer percursos de cinco minutos. E eu nem gostava de motos...", conta ao JN.

Na pátria do budismo, exige-se o "respeito pelo próximo" e nem o futebol ousa ser a exceção à regra. "Os jogadores mais novos tratam os mais velhos por senhor, até para pedir a bola durante um treino [risos] e no final de cada jogo somos obrigados a cumprimentar todos os adversários e a ir saudar os adeptos do outro clube", desvenda Luís Viegas.

Passe curtoNome: Luís Filipe Pena ViegasClube: Bangkok UnitedIdade: 36 anos (02/12/1981)Função: Analista