Seleção de trail

Atletas da vida diária sem apoio nas competições

Atletas da vida diária sem apoio nas competições

A Seleção que nos representará é constituída na sua maioria por homens e mulheres que trabalham, têm família e usam o pouco tempo que lhes resta para treinar arduamente.

A arte popular de transformar o que aparentemente se dispensa é equivalente ao toque de midas, que transformava em ouro tudo o que tocava. A diferença entre as duas está na atualidade da primeira em quase tudo o que se faz voluntariamente. A arte de transformar em forças todas as fraquezas e contrariedades que nos metem à frente do nariz, é uma arte portuguesa que dá frutos.

De Salvador que, aparentemente diminuído pela débil saúde e por ser dos poucos a não cantar em inglês, aos inúmeros vencedores por esse mundo fora que transcendem a dimensão de onde são oriundos, há um sem número de exemplos de gente que transborda energia, resistência, alegria e tenacidade face às adversidades, capacidades em que nós, lusitanos, somos pródigos.

Portugal estará representado em Itália no campeonato do mundo de trail running, no próximo dia 10 de junho, dia de Portugal. Não podia haver maior simbolismo para as sete mulheres e os seis homens que defenderão o 6º e 5º lugares conquistados coletivamente em outubro, na prova disputada no Gerês.

O trail, disciplina do atletismo que mais tem crescido nos últimos anos, é um dos maiores motores de desenvolvimento turístico dos países com conhecidas estâncias de desportos de inverno de toda a Europa. Andorra, Alpes - franceses, suíços e italianos, Espanha - Picos da Europa, Serra Nevada e Serra de Madrid, Itália, Croácia, Alemanha e muitos outros, apostam no trail para atrair turistas na época baixa deles - o Verão.

Portugal tem já apostas seguras que visam atrair os que não conseguem correr por ser demasiado frio nos países de origem. A Madeira é o melhor exemplo de aposta neste segmento turístico que tanto movimento lhe tem trazido, e os Açores trilham já o mesmo caminho, internacionalizando provas, cuidando os percursos e fazendo a respetiva divulgação no exterior.

A vitória da gente normal

A Seleção que nos representará junta gente que trabalha, tem família e treina no tempo que sobra. Muitos destes atletas, a maioria, estão entre os melhores da Europa e ombreiam com quem tem apoios para poder dedicar-se quase em exclusivo ao treino e preparação de provas.

Apesar de alguns terem alcançado, por mérito das classificações no último Campeonato do Mundo, o alto rendimento, não têm licença para representarem o país. Militares, professores, médicos, têm de abdicar dos seus vencimentos ou gastar dias de férias, férias que dependem de autorizações superiores e que, no caso dos professores - por a competição ser coincidente com época de exames - estão-lhes vedadas

Não basta a escassez de meios de uma seleção que é suportada quase em exclusivo pelos meios da Associação de Trail Running de Portugal - Associação que regula e organiza a modalidade, sócia da Federação Portuguesa de Atletismo -, ainda lutam os seus atletas contra a fraca cultura desportiva que é característica do nosso País, apesar de já termos todos, em todas as modalidades, provado que sabemos ser tão tenazes e abnegados como os melhores.

É que meios nem todos têm, mas a vontade depende de cada um e é uma característica que nos está cravada na identidade. A imagem da chegada da nossa primeira atleta no último Mundial, carregando a bandeira, rastejando com o olhar fixo na meta, é a prova de que nem o cansaço nos derrota, nem a falta de apoios nos atrasa.

É para estes que lutam com garra que temos de olhar e proporcionar a forma de melhor se prepararem. Meios, à boa maneira portuguesa, desenrascamos. Só precisamos que nos olhem com mais atenção e deixem os nossos atletas lutar por Portugal. Faremos do impossível realidade.

É que transformar tripas em coração não é para qualquer um!