Teste de produto

Saucony Peregrine 12, um "pássaro" resistente e veloz

Saucony Peregrine 12, um "pássaro" resistente e veloz

Chegaram até nós as Saucony Peregrine na versão 12. Não é um modelo novo por aqui discutido. Já tivemos oportunidade de testar versões anteriores. O nível de expectativa é alto, imposto pelo desempenho obtido até agora. Vamos ver se estas Peregrine vivem à altura do pássaro mais rápido do Mundo que lhe dá o nome.

Será que a fórmula evoluiu? Há sempre o receio de voltar a lugares onde já fomos felizes e ficar desiludidos. E as Peregrine são o exemplo disso.

Ao abrir a caixa

PUB

O modelo que chegou até nós foi o amarelo. Não é um amor à primeira vista, mas com o uso e umas marcas de terra aqui e ali, até se aprende a gostar. Mas há cores para todos os gostos.

Impossível não reparar na diferença de peso relativamente à versão anterior. Atualmente, as Peregrine 12 estão nos 275 gramas na versão masculina com o clássico drop de 4 milímetros. Os minimalistas da corrida estão bem familiarizados com esta plataforma e, como já foi aqui referido anteriormente, cada vez mais se vêm atletas a preferir drops mais baixos do que aos normais 8 milímetros. Parece coisa pouca, mas no desempenho e biomecânica da corrida tem um impacto tremendo. Mas deixamos essa parte da ciência para os verdadeiros especialistas, para não estarmos a cruzar terreno alheio. Vamos assumir que se trata de uma questão de gosto pessoal do atleta.

O amortecimento da entressola usa a espuma PWRRUN que já vem de modelos anteriores. Os tacos da sola foram mais reduzidos. Na sola do modelo anterior, víamos alguns círculos intercalados com os triângulos e isso já não se vê no novo modelo. Ao nível da performance só testando é que se poderá perceber se perde tração. A leveza pode ter sido a razão para esse corte.

Ao fazer o teste de flexão (juntar a biqueira ao colar) a sensação é normal. É fácil fazer a dobra, mas não ao ponto de parecerem sabrinas. Há um nível mínimo de rigidez para garantir o conforto no pé.

Pés ao caminho

As Peregrine foram sujeitas a um teste mais intensivo. Fizemos até à data aproximadamente 150 quilómetros com elas. Como tivemos a felicidade de apanhar uma fase de transição de estação, fomos brindados com todas as condições climáticas possíveis, exceto neve.

O desempenho em pedra solta, nos terrenos técnicos, foi muito bom. Mesmo quando algumas pedras deslizavam sob o pé, em poucos centímetros conseguíamos um ponto de apoio sem o risco de cair ladeira abaixo. Nas situações com terra, mesmo sob a forma de lama, nunca perdemos tração e o escoamento de água foi muito bom. A malha é suficientemente respirável para que não fiquemos com água retida. Mesmo com as proteções na biqueira e colar, de que somos fãs, não houve problema. E houve situações em que andámos com água pela cintura.

Pau para toda a obra

A quem se destina? As Peregrine são o modelo ideal para quem só quer um par de sapatilhas para trail. Conseguem responder às condições mais adversas, mas em estradões de terra vão dar o conforto e amortecimento aos atletas mais rápidos. Pelo preço, são um investimento seguro e de rentabilidade por muitos quilómetros.

Nota: O produto foi cedido pela marca.

Preço: 150€

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG