Teste de produto

Viagens longas com as Hoka Mafate Speed 3

Viagens longas com as Hoka Mafate Speed 3

A marca Hoka One One inicia o ano com a apresentação das novíssimas Mafate Speed 3. A terceira geração de um modelo que ficou conhecido pelas viagens longas em trilhos. Não vivemos tempos que nos permitam um teste em longas distâncias, mas deu para aguçar o apetite.

Os números

Com apenas quatro milímetros de drop (diferença de altura entre o calcanhar e a biqueira), são sapatilhas minimalistas, o que é algo comum nos modelos de trail da Hoka. No nosso caso, foi longa a adaptação, mas é uma decisão que achamos que dificilmente se reverterá. O impacto da passada é projetado mais na zona do meio do pé, evitando assim maior desgaste no calcanhar. Não há duas formas de correr exatamente iguais, pelo que, nesta questão, não há certo nem errado.

Pesam 303 gramas. São um modelo que privilegia o conforto e o amortecimento à performance. Para isso, já existem as famigeradas Speedgoat. Em treinos ou provas de várias horas, o pé dilata e o amortecimento reativo e o conforto interno vão contribuir para o bem-estar do atleta.

Ao abrir a caixa

Nota-se logo à primeira vista algumas diferenças relativamente ao modelo anterior. A malha superior (upper) está muito mais limpa e simplificada. O têxtil em toda a volta é feito com poliéster reciclado com reforço de linhas em TPU (termoplástico poliuretano). O tecido é muito respirável e nada como umas travessias de ribeiros para perceber o escoamento de água.

A língua está cosida à base da sapatilha pelas laterais para criar maior envolvência do pé. É também uma forma eficaz de, quando, por algum motivo, os atacadores se abrem, não ficarmos descalços em dois passos.

PUB

É inevitável falar da sola, com carimbo da Vibram. Os tacos Megagrip são verdadeiramente agressivos, com uma altura de 5 milímetros. Não deixam margem para dúvidas que serão aptas para verdadeiros duelos nos trilhos mais técnicos.

Depois de cerca de 100 quilómetros, o veredicto.

Foi um arranque lento, mas tal como a história da lebre e da tartaruga, o importante nunca é como começa, mas sim como acaba. Sentimos que o arranque foi lento e ficou uma leve sensação de pés pesados no início dos dois primeiros treinos. Fácil de perceber, uma vez que as nossas aventuras pelos trilhos ainda não foram além de 30 quilómetros de distância. Quase como na informática, a máquina tem sempre razão.

A tração é do melhor que estes pés já calçaram. Os dias consecutivos de chuva transformaram o nosso quintal de treinos num verdadeiro misto de lamaçal com emaranhado de galhos. As Mafate aguentaram-se à bronca e os tacos cruzados não falharam. Pelo menos, não houve batismo de queda, o que é sempre simpático. Ficamos muito surpreendidos com o amortecimento do meio da sola para a frente. Ou seja, em subidas, a tendência é para correr nas pontas, o que é um verdadeiro massacre para os pés. Com as Mafate, foi impressionante a forma como agarraram o terreno acidentado (pedra solta e terra fofa).

Resumindo

Ainda não somos o atleta que as Mafate Speed 3 merecem, mas podem até servir como incentivo para começar a aumentar distâncias. São uma excelente opção para terrenos verdadeiramente acidentados e técnicos e temos muitos e bons quilómetros para percorrer juntos.

Preço: 170€

Nota: O artigo foi fornecido pela marca.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG