Premium

Vice-campeão do mundo sem patrocínios

Vice-campeão do mundo sem patrocínios

João Vieira ganhou a medalha de prata nos 50 quilómetros marcha e paga as sapatilhas do próprio bolso

Seis litros de água, quatro sacos de gelo na cabeça, um lenço gelado no pescoço, e uma estratégia certeira permitiram a João Vieira ganhar uma medalha de prata para Portugal nos Mundiais de atletismo, na prova de 50 km marcha, no Qatar. Na cidade de Rio Maior, que o viu crescer, o sol tem outro brilho nestes dias. Os amigos dão-lhe na rua os parabéns e na pista, onde costuma treinar, os jovens atletas e treinadores recebem-no com sorrisos. Discreto por natureza, agradece timidamente porque, às vezes, parece não ter ainda digerido o feito gigantesco que alcançou: aos 43 anos, tornou-se no atleta mais velho da história a conquistar uma medalha em mundiais de atletismo. Proeza conseguida sem apoios, sublinhe-se, de um único patrocínio. "Não esperava consegui-lo... Quisemos fazer uma prova inteligente, devagar na primeira parte da corrida e mais rápida na segunda. Só a partir dos 38 quilómetros é que comecei a acreditar numa medalha". Terminou com o tempo de 4.04.59 horas, atrás do vencedor, o japonês Yusuke Suzuki.

Para combater o extremo calor de Doha, o português recorreu a métodos pouco ortodoxos. De dois em dois quilómetros, colocou quatro sacos de gelo na cabeça, além de um lenço gelado no pescoço, para o seu corpo manter a temperatura ideal, e bebeu seis litros de água durante as quatro horas da epopeia. Os desafios não ficaram por aqui. Como a prova se realizou à noite (entre as 23.30h e as 3.30 horas), treinou sempre em horário noturno nas semanas anteriores. "No início, o corpo estava adormecido, em modo de descanso, e os treinos não rendiam nada. Estou habituado a deitar-me às 22 horas e tive de mudar. A adaptação demorou um pouco". A preparação incluiu outro detalhe muito importante, que foi explicado pela treinadora e namorada, Vera Santos. "Ele treinou no centro aeronáutico de Coimbra, numa sala que foi construída para os bombeiros testarem condições extremas e que depois foi adaptada ao desporto. É uma sala toda estanque, em que foi simulada a temperatura e a humidade de Doha, e aí fez 15 treinos".