Futebol Distrital

Everton Silva: goleador dos Países Baixos continua a mostrar classe no Paivense

Everton Silva: goleador dos Países Baixos continua a mostrar classe no Paivense

Aos 38 anos, Everton Silva percorre os sintéticos da A. F. Aveiro, em representação do Paivense, mas já fez história nos clubes por onde passou. É o melhor marcador da história do Heracles, na Eredivisie (Países Baixos), e é o maior goleador brasileiro da competição, ficando apenas atrás do lendário Romário, que marcou 98 golos ao serviço do PSV.

É nos sítios mais inesperados que encontramos as maiores pérolas e Everton Silva é um fantástico exemplo disso. Formado nos brasileiros do Grêmio Barueri, começou a deixar o nome na história do mais alto patamar competitivo neerlandês em 2006/07, quando iniciou a aventura no Heracles.

"Depois de ter feito umas boas exibições num torneio no Brasil, o meu empresário informou-me do interesse do clube. Como os meus ídolos (Romário e Ronaldo) também passaram pelos Países Baixos, quis fazer o mesmo percurso", conta o atacante.

O que mais o encantou no país foram os estádios constantemente cheios e a hipótese da primeira aventura na Europa, o sonho para muitos jogadores oriundos da América do Sul. Esteve entre 2006 e 2013 no Heracles, onde realizou 217 jogos, tendo somado 70 golos e 17 assistências. Para Everton este recorde é um motivo de "total orgulho" e os adeptos locais não se esqueceram do experiente jogador.

"Ainda hoje recebo mensagens a pedir para voltar e a agradecer por tudo o que fiz pelo clube. Apesar de ter jogado contra nomes como Edgar Davids, Cocu e Wijnaldum, o que mais me orgulha é o legado que deixei no clube".

PUB

Em 2013 rumou à Arábia Saudita mas a aventura não correu como o esperado. Everton partiu para uma nova aventura sem a família e esse fator, aliado às dificuldades financeiras que o Al Nassr atravessava na altura, fez com que o jogador não recebesse o salário conforme o acordado. Todas estas questões não permitiram que o extremo (convertido em ponta de lança) conseguisse mostrar todas as suas capacidades, o que motivou uma saída precoce do país, em direção à China.

Nos dois anos em que esteve contratualmente ligado ao Shangai Shenxin a vida foi mais tranquila para jogador que, apesar de ter gostado do país, teve duas dificuldades complicadas de combater.

"O nível desportivo era inferior e isto aconteceu nos primeiros tempos em que o mercado futebolístico chinês começou a importar jogadores com experiência europeia. Mas o facto de a cultura ser bastante diferente, aliado às saudades de casa, fez-me voltar ao Brasil", conta.

Depois de umas épocas em clubes de menor relevo no Brasil, Everton quis voltar para a Europa, não só para voltar a sentir prazer pelo futebol, mas também para fugir às complicadas questões de segurança que se vivem no país.

Então, em 2018/19, Everton veio para Portugal e como só conseguiu arranjar clube no último dia do mercado de transferências optou por aquele que lhe abriu portas. Escolheu o Cinfães e foi assim que teve a primeira experiência no Campeonato de Portugal, algo que o deixou bastante satisfeito.

"Encontrei, em Portugal, um país ao qual posso chamar de casa. Quero ficar aqui ate não poder mais. Sou bastante respeitado e gosto de ajudar os mais novos, passando toda a minha experiência. Mas também aprendo muito com eles", garante o atacante.

Munido de um personal trainer e nutricionista, para Everton o segredo para continuar a jogar aos 38 anos é a "vontade e o trabalho". Confessa que já pensou em desistir, mas só vai realmente parar quando já não se sentir bem a jogar futebol.

Em Portugal representou ainda o Paredes e o Pedras Rubras, antes de iniciar esta aventura no futebol distrital. Embora seja o contexto competitivo menos exigentes da carreira do brasileiro, está a somar registos fantásticos no Paivense.

A equipa segue no segundo lugar do apuramento de campeão da A. F. Aveiro e Everton muito tem contribuído para essa posição. No total soma 27 golos, em 26 jogos, acrescentando ainda quatro assistências.

Quase nos 40 anos de idade, Everton Silva é um exemplo de longevidade e promete não parar tão cedo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG