Taça de Portugal

F. C. Porto fala em "noite negra" para a arbitragem e não poupa críticas a Xistra

F. C. Porto fala em "noite negra" para a arbitragem e não poupa críticas a Xistra

O F. C. Porto reiterou, esta quarta-feira, as críticas ao árbitro e videoárbitro do jogo da Taça de Portugal, entre os dragões e o Académico de Viseu, que terminou com um empate (1-1).

João Pinheiro e Carlos Xistra, árbitro e videoárbitro do encontro da primeira mão da Taça de Portugal, realizado na terça-feira, são os alvos das críticas azul e brancas, tal como já tinham denunciado o treinador Sérgio Conceição e o diretor de Comunicação do clube.

Sobre a "falta óbvia sobre Corona na área", lê-se na newsletter: "O erro do árbitro [João Pinheiro], bem posicionado e de frente para o lance, é flagrante; e a inação do videoárbitro [Carlos Xistra], que teve tempo e condições para avaliar a jogada pormenorizadamente, é inexplicável à luz da razão, das leis do jogo e dos princípios básicos da oftalmologia".

"Na verdade, os erros grosseiros cometidos por João Pinheiro nem têm sido assim tão raros. Na época passada, este árbitro cometeu falhas graves que permitiram ao Benfica vencer na Feira e em Braga e conquistar o campeonato", sublinha o texto.

"E o que dizer sobre a visão de Carlos Xistra? Há menos de um mês, quando o Benfica perdia em casa com o Aves, no espaço de alguns segundos não viu uma falta clara de Ferro sobre Mohammadi, para logo a seguir assinalar um penálti inexistente por suposta infração sobre Vinícius. Em pouco tempo, oscilou entre a cegueira de uma toupeira e olho clínico de uma águia", acrescenta.

Mas as críticas à arbitragem não se ficam pelo jogo em Viseu. "Em Lisboa, Hugo Miguel e Bruno Esteves pouparam um cartão vermelho a Gabriel, do Benfica, numa altura em que o jogo estava empatado a uma bola", defendem os dragões, considerando que foi uma "verdadeira noite negra" para a arbitragem portuguesa.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG