Futebol

F.C. Porto esclarece pagamento de dívida ao Estoril antes do jogo

F.C. Porto esclarece pagamento de dívida ao Estoril antes do jogo

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do F.C. Porto, garantiu nesta quinta-feira, no programa "Universo Porto", no Porto Canal, que os dragões não compraram o resultado do jogo com o Estoril, em 21 de fevereiro.

O responsável assegurou que não se verificou qualquer encontro entre dirigentes dos dois clubes, na véspera do encontro, mas confirmou uma transferência de dinheiro para o Estoril Praia.

"Não houve depois do jogo mas sim antes. Em 14 de fevereiro, o F.C. Porto realizou uma transferência de 784 mil euros. Porque o fez? Tivemos liquidez com a venda de bilhetes do jogo com o Liverpool e pagámos valores que tínhamos em dívida com o Estoril", explicou, acrescentando que o F.C. Porto se tinha comprometido a pagar o montante até março de 2018. "Para se obter licenciamento da UEFA, não se pode ter dívidas com jogadores e treinadores", explicou

Nesta quinta-feira, a Procuradoria-Geral da República confirmou que recebeu uma denúncia anónima sobre a segunda parte do jogo e que a encaminhou para o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

O F. C. Porto mostrou o documento do Novo Banco, onde está descrito o valor e a hora da transferência, e Francisco J. Marques explicou o motivo da dívida. "São valores relativos à saída de Carlos Eduardo para o Al Hilali, visto que o Estoril tinha direito a 20%, cerca de 380 mil euros, 40% da cedência temporal de Licá, 90 mil euros, outra de 95, outra de 119 mil e outra de 100 mil. Outros clubes receberam valores que tínhamos de pagar", defendeu.

PUB

O responsável explicou ainda que o clima com o emblema canarinho não era sequer o melhor, nos dias antes do jogo, devido ao problema da troca de bilhetes relativamente à primeira parte do duelo. "O F.C. Porto jamais comprou algum jogo. Só espero que seja gasolina para a equipa para o restante campeonato. A equipa só teve quatro empates na prova, três foram consequências das equipas de arbitragem. Se assim não fosse o campeonato estava praticamente resolvido".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG