União de Leiria

Federação recusou abrir precedentes com ajuda do plantel do União de Leiria

Federação recusou abrir precedentes com ajuda do plantel do União de Leiria

A situação financeira da União de Leiria, cuja continuidade na Liga Portuguesa de Futebol está em risco, foi abordada na quinta-feira, em reunião da direção da Federação Portuguesa de Futebol, mas os elementos diretivos rejeitaram "abrir precedentes".

A possibilidade de "ajudar" o clube leiriense, reforçando o fundo de garantia salarial comparticipado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e gerido pelo Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), foi discutida antes da entrada na ordem de trabalhos da reunião e declinada pela Direção federativa, disse, este domingo, à agência Lusa fonte ligada ao processo.

Também a possível criação de um novo fundo de garantia salarial, por parte da LPFP, foi referida na reunião diretiva, que apenas não contou com a presença de Pauleta e que aprovou por unanimidade a revisão do protocolo entre a FPF e a Liga para a introdução de equipas B na Liga de Honra, acrescentou a mesma fonte.

No sábado, à margem das cerimónias do centenário do Olhanense, o presidente da FPF, Fernando Gomes mostrou-se preocupado com a situação da União de Leiria, admitindo a possibilidade de ajudar os clubes em dificuldades de "forma consciente", mas que, neste caso em concreto, ninguém do clube solicitou a intervenção federativa.

"Na medida das possibilidades e responsabilidades da FPF, respeitando sempre a delegação de competências dada à LPFP para a organização das competições profissionais, a FPF tem sempre manifestado e já manifestou a todos os sócios que está disponível para ajudar a encontrar soluções para o futebol português e colaborar com as entidades que têm a responsabilidade direta sobre estes assuntos", referiu Gomes.

Na sexta-feira, 16 jogadores da União de Leiria anunciaram a rescisão dos seus contratos, devido à situação de salários em atraso, sobrando apenas seis elementos com contrato no plantel, em vésperas do jogo da 28.ª e antepenúltima jornada da Liga, com o Feirense, marcado para as 16 horas deste domingo.

Em caso de falta de comparência numa das três últimas jornadas, o regulamento determina que o clube infrator é punido com derrota por 3-0, multa de 50 mil euros e descida de divisão, a qual poderá ser evitada se for justificada com comprovado motivo de força maior.

No entanto, a administração da SAD da União de Leiria já admitiu declarar o abandono da competição, o que poderá acarretar para o clube penalizações mais drásticas, como a desclassificação no campeonato, a exclusão das competições profissionais por um período entre uma e cinco épocas e uma multa de 100 mil euros, além de implicar com a classificação de todos os outros clubes.