Exclusivo

Formar pérolas nas escolas do PSG e alimentar um sonho 

Formar pérolas nas escolas do PSG e alimentar um sonho 

André Sousa vive há seis anos no Catar e treina jovens na academia. No mínimo, cada um paga 200 euros

André Sousa, de 27 anos, é um dos treinadores da formação da Academia do Paris Saint-Germain em Doha. Natural do Porto, chegou há seis anos ao Catar, desafiado por uma prima, há muito radicada no país, onde começou a trabalhar como professor de Educação Física. "Tirei a licenciatura e trabalhar nessa área foi a opção mais natural. Como sou apaixonado por futebol, mantive cá essa paixão. Em 2019, tive a felicidade de ser contratado pelo PSG", afirmou, ao JN.
No presente, acumula as duas profissões. "Tudo tem corrido bem, sou feliz neste país. No PSG, o ambiente de trabalho é muito bom e evoluí para treinador principal num dos escalões", sublinhou. "Gostava de trabalhar como treinador a tempo inteiro, mas não teria tantos benefícios monetários, como tenho agora, fruto de dois trabalhos diferentes. Faço o que gosto".

A filosofia de formação do PSG, cujo dono é o catari Nasser Al-Khelaifi, é igual em todas as escolas espalhadas pelo Mundo. "Os treinos e os exercícios são semelhantes e provenientes de França. Há um contacto constante entre as academias, que estão em todos os continentes, e temos visitas semestrais do diretor técnico do PSG para ver se está tudo de acordo com as diretrizes". Há sessões de manhã e de tarde, em instalações de topo, e até a língua do treinador pode ser escolhida, entre o inglês, o francês e o árabe, com direito a um equipamento oficial da equipa. De acordo com o site do clube, jogar nas escolinhas tem um custo mínimo de 200 euros.
Para já, André não tem a ambição de voltar a Portugal. "Tenho a sorte de viver cá, dá muita segurança. As pessoas são amigas e há um choque enorme de culturas no bom sentido, há pessoas de todo o lado. É um sítio como poucos no Mundo, todos se sentem incluídos no dia a dia". Trabalhar em Paris, na sede do clube, é um sonho de longo prazo: "É óbvio que a hipótese de trabalhar em França no PSG seria excelente, mas agora desejo estabilizar por aqui".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG