Futebol

Francisco J. Marques: "Árbitros têm terror de cometer um erro contra o Benfica"

Francisco J. Marques: "Árbitros têm terror de cometer um erro contra o Benfica"

O diretor de comunicação do F. C. Porto, Francisco J. Marques, deixou duras críticas a Hugo Miguel, árbitro do encontro entre o Tondela e o Benfica, que os encarnados venceram por 1-0.

Em causa, está um lance de Florentino sobre Murillo, aos 26 minutos do jogo entre os beirões e os encarnados. Para Francisco J. Marques, o jogador do clube da luz devia ter visto cartão vermelho. Uma decisão que, segundo do diretor de comunicação dos dragões, não foi tomada devido "ao medo do árbitro de errar frente ao Benfica"

"O que aconteceu em Tondela não foi um erro de arbitragem. Foram dois ou três. O principal, aos 26 minutos, foi o que evidentemente deveria ter sido castigado com o cartão vermelho. Mas só viu amarelo. É óbvio que o lance ultrapassa limites do amarelo. Houve mais dois ou três a seguir para amarelo mas o árbitro nada fez. Estamos perante uma série de erros de Hugo Miguel em benefício do Benfica. Isto vem na sequência da caça à arbitragem que o Benfica iniciou esta época. Foi criado um clima de terror. Os árbitros têm terror de cometer um erro contra o Benfica. E acham que a escapatória deles é errar a favor do Benfica", disse em declarações ao programa "Universo Porto da Bancada" desta terça-feira.

Francisco J. Marques abordou ainda a decisão do Conselho de Disciplina, que esta terça-feira julgou improcedente o recurso do Benfica à multa aplicada devido ao incidente com o árbitro Tiago Martins no final do encontro com o Vitória de Setúbal.

"O Benfica quer alguns árbitros e não quer outros. Ainda hoje se soube que o recurso foi negado pelo Conselho de Disciplina. Trata-se do Benfica estar a acusar um árbitro de estar a fazer um relatório falso, de mentir. Uma estratégia nunca antes vista. O Benfica quer árbitros como o Hugo Miguel. O lance do Florentino reflete-se no próprio jogo, em que o Benfica devia ter ficado com 10. E também no próximo, em que o Benfica não devia contar com o jogador. Alguém já viu Luciano Gonçalves a defender o Tiago Martins? Há uma série de cumplicidades no futebol português em relação ao Benfica. A única forma de acabar com esta pouca vergonha é divulgar", acrescentou.

Jogos à parte, o jornalista Pippo Russo, autor do livro "orgia do poder", deixou algumas críticas ao Benfica e à liderança do clube encarnado, o que provocou uma reação do clube da Luz. Para o diretor de comunicação do F. C. Porto, tais críticas são consequência "da imagem negativa do Benfica no estrangeiro".

"As declarações são opinião dele. Mais importante é a reação desproporcionada do Benfica. Esta entrevista não tinha grande impacto até o Benfica reagir, e torná-la um dos males do mundo só por tecer críticas ao Benfica. Quer o Benfica queira quer não, é a imagem que tem fora do nosso país, onde não tem a proteção. A opinião que há é que é um clube trapaceiro que utiliza métodos que não são razoáveis para ganhar", concluiu.

Outras Notícias