Tragédia

Indonésia responsabiliza federação por tragédia no estádio e pede demissões

Indonésia responsabiliza federação por tragédia no estádio e pede demissões

A comissão responsável pela investigação da tragédia num estádio indonésio na ilha de Java, que matou 132 pessoas em 1 de outubro, pediu a demissão do presidente e da Direção da federação de futebol (PSSI).

O ministro Mohammad Mahfud Mahmodin, responsável pelos assuntos de segurança indonésios, disse, em conferência de imprensa, que o relatório apresentado pelos investigadores ao presidente Joko Widodo aponta como responsável da tragédia a federação.

"Tecnicamente, o Governo não pode intervir na PSSI, mas num país baseado na moral, na ética e na cultura, seria normal que o chefe do PSSI e todos os membros da Direção renunciassem como forma de responsabilidade", lê-se no documento de 124 páginas.

PUB

A tragédia, uma das piores da história do futebol, ocorreu na noite de 1 de outubro, quando cerca de 3.000 adeptos invadiram o campo após a derrota da equipa da casa, o Arema F. C., frente aos rivais do Persebaya Surabaya, por 3-2.

A polícia usou gás lacrimogéneo para tentar controlar os adeptos em fúria, mas a sua ação - contrária aos regulamentos da FIFA - acabou por provocar o pânico, com milhares de pessoas a precipitarem-se para a saída.

Muitas das pessoas morreram espezinhadas no caos da debandada, e os tumultos estenderam-se ao exterior do estádio.

"Também descobrimos que as partes interessadas se estão a esquivar das suas responsabilidades, refugiando-se atrás de regulamentos e contratos que são tecnicamente legais", disse ainda o ministro, culpando também o clube e os seus proprietários.

Em resposta ao desastre, o presidente indonésio, Joko Widodo, suspendeu todos os jogos de futebol até que a investigação fosse concluída e ordenou uma revisão de segurança em todos os estádios do país.

A comissão de investigação também sugeriu que a PSSI reveja os seus regulamentos para eliminar qualquer potencial conflito de interesses entre a polícia e a federação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG