Futebol

Infringir as regras no Chelsea pode custar 23 mil euros aos jogadores

Infringir as regras no Chelsea pode custar 23 mil euros aos jogadores

O atual treinador do Chelsea não está para brincadeiras. A imprensa britânica divulgou uma extensa lista de regras que Frank Lampard impõe aos seus jogadores. Caso não as cumpram, o plantel arrisca-se a multas que podem chegar às 20 mil libras (cerca de 23 mil euros).

Assumiu o comando do Chelsea este ano e mostrou que tem mão de aço sobre a sua própria equipa. Como? Impondo regras que talvez ele próprio, enquanto foi jogador do plantel, teria alguns problemas em cumprir - chegava atrasado a alguns treinos. Frank Lampard criou uma série de condições aos seus jogadores, que caso não sejam cumpridas resultam em pesadas multas. A informação foi divulgada pelo "Daily Mail".

Alguns exemplos: quem chegar atrasado ao treino paga 20 mil libras (cerca de 23 mil euros), o atraso numa reunião de equipa chega às 500 libras (583 euros) por cada minuto de atraso, se o telemóvel de um jogador tocar durante uma refeição ou uma reunião pagam mil libras e quem não comunicar uma doença ou lesão atempadamente vai gastar 10 mil libras (cerca de 11600 euros).

As multas têm de ser pagas ao "staff" de Frank Lampard e caso não sejam feitas dentro de 14 dias, o valor é a duplicar. O dinheiro arrecadado com a infração das multas pode ir parar a instituições de caridade e a atividades relacionadas com a equipa.

Ao comando de Frank Lampard, a equipa inglesa está neste momento em terceiro lugar na Liga inglesa, atrás do Leicester e do Liverpool.

Guardiola quis "balneário circular" no City

O treinador do Chelsea não é o único com regras ou castigos peculiares. Segundo a imprensa britânica, quando assumiu em 2016 o plantel do Manchester City, Pep Guardiola exigiu um balneário circular, para que os jogadores pudessem interagir mais. O túnel de acesso ao relvado passou a ser em vidro para uma maior proximidade com os adeptos.

Contudo, uma das medidas mais comentadas foi a proibição de "wi-fi" em algumas áreas do estádio, para que o plantel convivesse mais e estivesse menos tempo ao telemóvel. Os jantares em conjunto (equipa técnica e jogadores) antes ou depois dos jogos tornaram-se também obrigatórios.

Jürgen Kloop à frente do Liverpool, desde 2015, também não se ficou por meias medidas. Proibiu os jogadores do clube inglês de tocarem na placa, à entrada do relvado, onde se lê "This Is Anfield" ("Isto é Anfield"). "Disse aos meus jogadores que não vão lá tocar até ganharem alguma coisa. É um sinal de respeito", afirmou, mais tarde aos jornalistas.

Até à conquista da Liga dos Campeões, na época 2018-2019, os jogadores não estavam autorizados a fazer o ritual. Isso mudou quando ganharam o troféu a 1 de junho deste ano, em Madrid: o Liverpool venceu o Tottenham por 2-0, com golos de Salah e Origi.