Desporto

Atletas Olímpicos defendem Marco Fortes e retiram apoio a Vicente Moura

Atletas Olímpicos defendem Marco Fortes e retiram apoio a Vicente Moura

O presidente da Comissão de Atletas Olímpicos saiu em defesa de Marco Fortes, considerando que o atleta foi "publicamente humilhado, como bode expiatório" da missão olímpica em Pequim2008 e "expulso" da aldeia olímpica, depois de ter tentado brincar com o mau resultado que obteve.

"O Marco foi transformado em arguido sem culpa, sem direito a defesa e publicamente humilhado como bode expiatório. Mais valia assumirem o erro, já que o atleta não se dopou, nem fez batota, apenas fez umas declarações", afirmou Nuno Fernandes em conferência de imprensa.

O responsável revelou que "o relatório da missão, agora apresentado, vem confirmar que Marco Fortes foi expulso da Aldeia Olímpica, contrariamente ao que sempre foi publicitado pela chefia da missão (Manuel Boa de Jesus) e presidente do COP (Vicente Moura)".

Marco Fortes, também presente na conferência de imprensa dos atletas olímpicos, mas sem falar aos jornalistas, tinha bilhete de regresso para Portugal a 28 de Agosto, mas foi impedido de prolongar a sua estadia, após as declarações proferidas depois das eliminatórias do lançamento do peso.

"O Marco foi infeliz e tem que aprender com o erro, mas nunca deveria ter sido enviado mais cedo para casa. Não se pode esperar que um atleta que teve mais de oito anos a preparar-se para uns jogos tenha um discurso correcto e coerente minutos após ter visto o seu sonho olímpico desvanecer", justificou.

Nuno Fernandes acrescentou que tanto o chefe de missão portuguesa nos Jogos de Pequim2008, como o presidente do Comité Olímpico de Portugal, sempre negaram que o atleta foi expulso, afirmando que só recusaram o pedido para prolongar a estada além de 17 de Agosto.