Futebol

Benfica: "O maior escândalo é o F. C. Porto ainda estar na luta pelo título"

Benfica: "O maior escândalo é o F. C. Porto ainda estar na luta pelo título"

O Benfica voltou a atacar o F. C. Porto, esta terça-feira, na newsletter diária do clube, que não é assinada. Com o título "Fuga para a frente", as águias referem que os dragões têm "10 pontos a mais" na tabela classificativa da Liga, "que resultaram de erros de arbitragem".

Numa espécie de resposta às palavras de Pinto da Costa na entrevista que concedeu ao jornal "O Jogo", o Benfica contra-atacou em força.

"O maior escândalo, farsa ou mancha negra deste campeonato é chegar-se a esta fase decisiva e o FC Porto ainda estar na luta pelo título", começam por escrever os encarnados na "News Benfica". "Sem os 10 pontos a mais que resultaram de erros de arbitragem a favor do F. C. Porto, a única coisa que estaria em jogo no próximo sábado seria a luta para se saber quem ficaria em 2.º e 3.º lugar. No fundo, para se saber quem ainda poderia ter acesso à Liga dos Campeões", acrescentam.

Depois, as águias dedicam de forma direta algumas palavras ao presidente do F. C. Porto: "Na realidade, já nem ele acredita nas suas próprias palavras. Mas o mais incrível é o novo sinal que dá de desespero e sobretudo de desrespeito pelos seus próprios profissionais (equipa técnica e jogadores). Ou seja, na semana em que verdadeiramente tudo se decide, o suposto líder do clube, para salvar a pele de mais um previsível desaire, prepara uma inédita fuga para a frente, dando como garantida a derrota no campeonato e inventando a mais ridícula das desculpas para uma época como esta - as arbitragens".

O ataque do Benfica ao F. C. Porto termina, depois, assim: "No ciclo dos últimos seis anos (mesmo ainda com o campeonato e a Taça de Portugal desta época por decidir), o FC Porto só ganhou uma Liga e uma Supertaça, encontra-se sob intervenção da UEFA, tem mais de metade da equipa principal em debandada sem terem sido devidamente acauteladas as renovações de forma atempada e, pelo meio, apostou tudo num regresso ao passado de ameaças, coações, pressões, a que ainda se acrescenta o crime do acesso e divulgação indevida de informação interna de um seu concorrente".

Imobusiness