Benfica

Bruno Lage sente a pressão, mas desde o início

Bruno Lage sente a pressão, mas desde o início

No segundo lugar da Liga, face à vitória de sábado do F. C. Porto, o treinador Bruno Lage reconheceu estar pressionado para ganhar ao Marítimo e recuperar a liderança, mas fez questão de relembrar que vive com essa pressão desde que substituiu Rui Vitória no comando do Benfica.

"A pressão existe sempre nas grandes equipas. Sentimos essa pressão, mas desde o início. São cinco finais e a pressão é chegar ao jogo, fazer boas exibições, proporcionar bons espetáculos e, nesta fase de autênticas finais, errar o menos possível e conquistar os três pontos, para acabar na primeira posição", disse, na antevisão do jogo de segunda-feira (20.15 horas).

Bruno Lage elogiou o Marítimo - "é uma equipa muito competente, que está à procura de pontos pela manutenção, organizada e aguerrida, à imagem do seu treinador" -, mas reafirmou que o objetivo "é conquistar mais três pontos e seguir em frente".

Desvalorizou a polémica à volta de Petit, que confessou que três jogadores nucleares forçaram o quinto amarelo para limparem o cadastro no jogo com as "águias", lembrando que esses mesmos jogadores não defrontaram o rival na luta pelo título. "Esses jogadores jogaram contra o F. C. Porto? Tive o cuidado de ver e não jogaram. O Petit disse isso quando falou dessa questão. Esses jogadores também não estiveram nesse onze. Acredito que o Marítimo vai jogar determinado para alcançar o seu objetivo, que é a manutenção", frisou o técnico, que espera uma resposta positiva à eliminação da Liga Europa, pois o que importa agora é o que se pode ganhar. "Acredito que os jogadores também têm essa mentalidade. Após um jogo menos conseguido a equipa soube sempre dar uma boa resposta e é isso que pretendemos para amanhã".

Sem Rafa, suspenso, Bruno Lage admitiu que ainda não decidiu quem substituirá o extremo, mas afastou qualquer tipo de gestão tendo em vista a crucial deslocação a Braga na jornada 31. "Não pode haver gestão nenhuma nesse sentido. O que acharmos que é o melhor onze vai estar lá dentro, independentemente da questão dos amarelos e dos jogadores que possam falhar esse jogo. Quando fazemos essas contas, saem sempre furadas", concluiu.