Futebol

Carta prova que "Paulo Gonçalves representava administração do Benfica", diz Francisco J. Marques

Carta prova que "Paulo Gonçalves representava administração do Benfica", diz Francisco J. Marques

O diretor de comunicação do F. C. Porto, Francisco J. Marques, frisou esta terça-feira que Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do Benfica, assinava documentos como membro da SAD encarnada e que não entende como os administradores das águias não foram a julgamento no caso "E-Toupeira".

Francisco J. Marques revelou esta terça-feira uma carta enviada pela SAD do Benfica para o Instituto Português de Desporto e Juventude (IPDJ), em 2017, pouco antes do jogo com o F. C. Porto, no Estádio do Dragão. O diretor de comunicação do F. C. Porto garantiu que a carta está assinada por Paulo Gonçalves e que, por isso, o ex-assessor jurídico do Benfica representava a SAD dos encarnados.

"Esta carta é datada de 14 de novembro de 2017. O Benfica estava a tratar com o IPDJ e autoridades a organização de comboios para trazer adeptos ao Estádio do Dragão, para o jogo com o F. C. Porto. A carta da Benfica SAD é assinada pelo Conselho de Administração e assessor jurídico, Paulo Gonçalves. Estamos na presença de um documento do Benfica SAD, documento relevante e é assinado por quem? Pelo Conselho de Administração e assessor jurídico. O que demonstra? De forma clara e evidente que o advogado e assessor jurídico, e à época, representava a SAD do Benfica. Tratava-se de um dirigente de primeira linha", começou por dizer no programa "Universo Porto da Bancada" desta terça-feira, afirmando que este documento demonstra uma evidência.

No entender de Francisco J. Marques este facto põe em causa a defesa das águias no caso E-Toupeira: "Na altura, da instrução do E-Toupeira, como toda a gente sabe, a SAD do Benfica não foi pronunciada a julgamento sob o argumento que o Paulo Gonçalves era um simples funcionário, hierarquicamente menor, não representaria em circunstância alguma a SAD do Benfica. Ele foi acusado, pronunciado mas a Benfica SAD não foi porque não era representada pelo Paulo Gonçalves. Ora este documento é só mais uma evidência que o Paulo Gonçalves representava a SAD do Benfica em matéria importante. O Paulo Gonçalves representava a administração do Benfica e é muito difícil de compreender como é que é possível não levar a SAD do Benfica a julgamento. Se há verdade para qualquer pessoa que acompanha o futebol em Portugal, Paulo Gonçalves representava o Benfica. Era o braço direito do Luís Filipe Vieira nos negócios do futebol, contratação, transferências de jogadores, representava nos momentos mais importantes", disse ainda o diretor de comunicação dos dragões.

"Para benefício da Benfica SAD, Paulo Gonçalves andou, segundo a acusação, a fazer ofertas, corromper funcionários judiciais, para ter informação. Foram centenas de violações, processos acedidos quase de forma diária. A verdade é esta. Paulo Gonçalves corrompe funcionários judiciais, depois das revelações neste programa, descobre-se em benefício exclusivo da Benfica SAD", concluiu Francisco J. Marques.

Neste caso E-Toupeira, Paulo Gonçalves terá tido informações privilegiadas sobre processos em segredo de justiça.

Contactada pelo JN, face às acusações do diretor de comunicação e informação dos dragões, fonte do Benfica limitou-se a fazer a seguinte declaração: "Não comentamos quem já foi condenado por diversas decisões em tribunal por deturpar e truncar o sentido de diversa documentação roubada ao nosso clube".