O Jogo ao Vivo

eSports

Conquistar o Mundo com o comando nas mãos e as quinas ao peito

Conquistar o Mundo com o comando nas mãos e as quinas ao peito

Gaming e desporto. Uma simbiose que há alguns anos parecia improvável, mas que hoje faz parte da rotina de milhões de pessoas. E é da junção destas duas práticas que o conceito de eSports nasce.

Resumidamente descrito como a "prática profissionalmente organizada e competitiva em jogos digitais", este fenómeno transcende fronteiras geográficas e etárias. A prova disso acontece este fim de semana, em Londres, com a realização da e-Nations Cup, na qual a seleção portuguesa será representada por Diogo Pombo e Gonçalo Pinto.

Em Portugal, o ponto de viragem aconteceu em junho de 2016, quando o Sporting deu o primeiro passo e se tornou no primeiro clube de futebol a criar um setor de eSports. E num universo com cada vez mais adeptos e praticantes, a Federação Portuguesa de Desporto Eletrónico (Fepodele) assume especial importância. "Já temos centenas de pessoas inscritas. O que é essencial, agora, é diferenciar jogadores profissionais de "gamers". Ainda estamos muito longe de existir uma associação nacional de jogadores, por exemplo. É um caminho que temos de percorrer todos juntos. Os e-Sports precisam de alguém que os defenda de forma isenta. A maior mais-valia da federação é isso mesmo", disse ao JN Rui Alexandre Jesus, jurista e presidente da Assembleia-Geral da Fepodele.

Vivemos num mundo em que a tecnologia faz parte da rotina diária, seja para trabalho, comunicação ou até diversão. E, neste último capítulo, as teorias mais céticas começam a perder força. "Os jogos virtuais têm múltiplas vantagens. No entanto, é necessário que haja uma maior abertura para que sejam incluídos no dia a dia dos jovens. Desde que não se abdiquem das rotinas normais, não há estudos que comprovem que haja perigo para a saúde", confidenciou ao JN Maria João Andrade, psicóloga clínica do Gabinete de Apoio à Saúde do Praticante Desportivo.

À conquista da eNations Cup

Neste fim de semana, em Londres, realiza-se pela primeira vez na história a eNationsCup, uma espécie de Mundial de FIFA 19. O torneio - disputado na vertente Playstation 4 e Xbox One -, conta com a participação de 20 países, terá um prémio total de 88,7 mil euros e ainda pontos válidos para o "FIFA Global Series Rankings" (que reúne os 16 melhores jogadores de cada consola no ranking da temporada).

"É um orgulho representar Portugal nesta primeira grande competição de seleções", começou por dizer Gonçalo Pinto (Rastaartur). Um sentimento partilhado pelo parceiro Diogo Pombo (Tuga810). "Jogo sempre na Playstation4 e na eNations Cup vou ter de jogar na Xbox One. Mesmo assim, espero alcançar, juntamente com o "Rasta", um bom resultado".

Craques do FIFA aliam vitórias ao divertimento

São 22 horas. É tempo de ligar a Playstation 4, preparar os auscultadores e dizer "olá" no discorder. É através desta aplicação de voz gratuita, que os 16 membros da equipa FTW Legacy se reúnem virtualmente, de segunda a sexta-feira. Uns são de Lisboa, outros do Porto. Alguns até vivem fora do país. Só a paixão pelo futebol virtual consegue unir tamanha distância física. "Partilhámos todos do mesmo gosto. É algo que fazemos por puro entretenimento", começou por dizer Guilherme.

Pura modéstia. A FTW Legacy é campeã nacional de FIFA 18, ocupa o quinto lugar do ranking mundial e não joga a feijões. É que ao todo, são mais de 800 mil clubes espalhados por 10 divisões. Estes craques portugueses juntam ao top 5 mundial, duas Supertaças (FIFA 17 e FIFA 19) e duas Ligas dos Campeões (FIFA 18 e FIFA 19). O segredo? Não revelam. "Fazemos entre seis e oito jogos por dia. Há muita união e espírito de equipa. O importante é divertirmo-nos. As vitórias aparecem naturalmente", disse Guilherme (Costaport).

Polegares aquecidos, táticas afinadas... arranca o jogo. Aqui, na 1.ª Divisão de Pro Clubs, não há espaço para erros. Os 90 minutos virtuais correspondem a 20 minutos reais e os jogadores... são fruto da inspiração e gosto de cada um. "Neste modo de jogo somos nós que criámos os próprios jogadores. Podemos personalizar desde o cabelo, à estatura, pé preferencial para rematar e muito mais".

Em Portugal, jogar videojogos ainda é visto como um passatempo pela maioria, apesar de noutros países ser a base para uma carreira profissional. A FTW Legacy "sofre" dessa síndrome. E apesar do talento ser muito, (ainda) não é tudo. Até que mude, os 16 craques do FIFA prometem continuar a brilhar mundo fora, por esses relvados virtuais.

Raul Faria Coordenador do Departamento de eSports da Federação Portuguesa de Futebol: "Há mais de 11 mil jogadores inscritos e 180 clubes em Portugal"

Como funcionam as competições em Portugal? Existe um calendário anual?
As competições de futebol virtual seguem o formato da época desportiva de futebol, com ligeiras alterações devido ao lançamento do videojogo FIFA. A época começa em outubro e termina em agosto, com a supertaça organizada no mesmo local da Supertaça de futebol.

Quais as formas competitivas?
Existem duas modalidades dentro do futebol virtual: a individual e a coletiva, em que cada jogador controla o seu jogador virtual dentro do servidor. Neste momento, as competições são desenvolvidas no jogo FIFA e na plataforma Playstation 4, devido a uma parceria tecnológica com a Sony. Contudo, existem competições como a Taça de Portugal, que decorrem também em PC e Xbox. O objetivo da Federação Portuguesa de Futebol é democratizar o futebol virtual e torná-lo acessível a todos os jogadores.

Como tem sido a adesão a esta modalidade?
Neste momento, temos mais de 11 mil jogadores inscritos e mais de 180 clubes.

Desses 180 clubes há algum que seja da Liga portuguesa?
Sim. Sporting, Braga, Vitória de Setúbal, Rio Ave, Vitória de Guimarães, Marítimo, Nacional, Tondela, Feirense e Boavista têm equipas inscritas.

Quem quiser entrar nas competições, o que tem de fazer?
Cada competição tem características próprias. O primeiro passo é criar conta no site "esports.fpf.pt" e ficar atento às várias competições que são apresentadas.

Os prémios totais variam entre que valores?
A Liga Portuguesa de 1vs1 conta com um prize pool superior a 30 mil euros, e em mais de um ano e meio de projeto Federação Portuguesa de Futebol eSports, distribuímos mais de 50 mil euros em prémios nos seus torneios.