Desporto

Dias da Cunha prevê fim do Sporting em 10 anos

Dias da Cunha prevê fim do Sporting em 10 anos

O antecessor de Soares Franco na presidência do Sporting vai faltar ao "beija-mão" que considera ser o oitavo Congresso do Sporting.

"Desprezo totalmente essa encenação a que chamaram congresso. Não passa de um beija-mão real para prestar vénias ao presidente por quem não tenho a mínima consideração", afirmou Dias da Cunha à Agência Lusa.

O evento acontece depois de um interregno de 13 anos, reunindo 414 delegados e mais de 200 recomendações, com o objectivo de preparar o clube para o futuro.

"Se isto for levado por diante e os sócios não se opuserem, o Sporting, daqui por 10 anos, já não existe. E estou a ser optimista", criticou Dias da Cunha, referindo-se ao plano de reestruturação financeira do Conselho Directivo, liderado por Soares Franco, que fora seu vice-presidente.

Segundo Dias da Cunha, ainda está por explicar o plano de emissão de Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) de 55 milhões de euros "e a passagem dos únicos investimentos que ainda restam" (a Academia de Alcochete e o Estádio José Alvalade) para a SAD dos "leões", segundo o projecto da actual direcção, visando reduzir o passivo dos actuais 245 milhões de euros para 141 milhões de euros.

O antigo presidente sportinguista teme que a SAD "caia" depois em mãos que não as dos sócios do clube, já que o domínio daquela sociedade anónima ficará para quem possuir "a maioria dos papéis do empréstimo obrigacionista", na sua opinião.

Por seu turno, o candidato derrotado por Soares Franco nas eleições de Abril de 2006, Sérgio Abrantes Mendes, vai estar no evento de Santarém, "de peito aberto" e defendendo uma recomendação: "O Sporting será sempre dos sócios".

"O intuito principal é participar numa discussão mais alargada no Sporting do futuro. Acho que vou participar de peito aberto. Ainda acredito nas pessoas e penso que não vai haver aproveitamento (propagandístico por parte da direcção)", disse à Lusa, admitindo ter em mente uma candidatura às eleições apontadas para 05 de Junho.

Para já, Abrantes Mendes prefere remeter uma decisão final sobre a corrida à presidência do Sporting para depois da grande reunião sportinguista.

"Não vou negar que a máquina está preparada. Agora, este congresso nada tem a ver com eleições. A decisão de avançar ou não para as eleições será para depois do congresso, pois aí o tempo urge", concluiu.