Desporto

Guerra do humor no duelo de águias e leões

Guerra do humor no duelo de águias e leões

O relvado do programa "5 para a Meia Noite" é inclinado. Todas as faltas são permitidas. Não há árbitro e aconselham-se entradas a pés juntos. No dérbi do humor, o "lampião" Luís Filipe Borges e o "lagarto" Pedro Fernandes trocaram, através do JN, as primeiras caneladas e testaram a pontaria à baliza do rival.

Ainda assim, nem tudo é otimismo. O sportinguista garante, mesmo, estar preocupado. Não com a ausência de William Carvalho e de Jefferson. Nem tão pouco com a presença de Cardozo, autor de 12 golos aos leões... "Só quero que o jogo comece a horas. Sou pontual, gosto que as coisas comecem à hora marcada, é uma cena minha... ", brincou, numa ironia evidente à Taça da Liga.

Ao ataque e sem marcação, disparou, depois, com o ar mais sério do Mundo, noutra direção. "Espero que haja golos no dérbi e que sejam marcados por portugueses". Borges acusa o toque. "Temos quase cinco portugueses! O Amorim, o André Almeida, o André Gomes e já não me lembro mais...".

No célebre sofá vermelho do "Cinco", o benfiquista admite que já consegue ver os jogos do clube além dos 90 minutos. "Isso já me passou, mas durou meses.... Agora, o que interessa é vencer o Sporting. Se não conseguir, não merece vencer a Liga!" .

Mas, atenção. Nem tudo os divide. Uma eventual candidatura de Jorge Jesus ao cargo de próximo apresentador do "5 para a Meia Noite" está, para ambos, chumbada. "Seria um convidado fantástico e um bom ator, mas apresentador, não! Tem a mesma coisa do Futre: uma absoluta imprevisibilidade".

Pedro Fernandes deu uma achega... forte. "É genuíno e não tenta ser mais do que é. Também acho que é preciso estar naquele grau de intelectualidade para falar com os jogadores. É esse o segredo".

Estranhamente, Bruno de Carvalho... une-os. "Assume um comportamento ríspido no melhor sentido, cortando a relação que o Sporting tinha com o F. C. Porto. Muito sinceramente uma relação indigna para o Sporting. Por outro lado, registou atitudes de enorme elevação, como a presença no funeral do Eusébio", garante o "Boinas".

O habitual verbo controverso não choca Pedro Fernandes. "Se fosse o Pinto da Costa, todos achariam piada. Seria a chamada ironia do costume. O presidente está a fazer um excelente trabalho. Corta onde deve cortar e despede quem tem de despedir".

Nem pensar em ver este domingo a partida juntos - "queremos preservar a amizade" - mas o prognóstico é quase igual. "2-2", avança o sportinguista. Borges acrescenta. "2-2, a puxar ao 3-2 para o Benfica".

Conteúdo Patrocinado