Futebol

Francisco J. Marques diz que Benfica agora pede árbitros pela televisão

Francisco J. Marques diz que Benfica agora pede árbitros pela televisão

Em mais um programa "Universo Porto da Bancada", no Porto Canal, o diretor de comunicação dos dragões comentou a entrevista de Luís Filipe Vieira à BTV.

"Havia pedidos por email, agora há pedidos de árbitros por televisão", disse o diretor de comunicação do F. C. Porto, Francisco J. Marques, na reação à entrevista do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, na qual perguntou por que razão certos árbitros não apitam o clube encarnado.

"Os árbitros sentem-se condicionados, isso vê-se nas nomeações. Porque é que o Fábio Veríssimo não apita jogos do Benfica? Foi condicionado pelo F. C. Porto nas últimas semanas. Os árbitros estão condicionados, o conselho de arbitragem não protege os árbitros, não denunciam", acusou Luís Filipe Vieira.

"O que acontece agora se alguns daqueles árbitros forem nomeados para jogos do Benfica? O que se vai dizer? Se tiver a infelicidade de cometer erros, a favor ou contra o Benfica... Isto é coação, é impedir o decurso normal das competições", questionou o diretor de comunicação do F. C. Porto. "Até aqui, fazia-se por email, agora faz-se por televisão. Como é que podem reclamar o que quer que seja?"

"Não sei se os clubes falam de mais ou de menos. Aqui, nós falamos verdade. Tudo o que dizemos aqui é verdade. Ninguém nos desmentiu uma linha. Ninguém foi capaz de o fazer. E já passaram muitos meses. O presidente do Benfica teve a oportunidade de desmentir tudo e não desmentiu nada. Depois fazem este papel ridículo a condicionar", rematou Francisco J. Marques.

"Uma das teses do Benfica é que é preciso é falar de futebol e defender o negócio. Não há nada que tinja mais o negócio do que todos estes comportamentos que temos vindo a denunciar. Isso é que dá cabo do negócio do Benfica e dá cabo do negócio dos concorrentes. Adultera a verdade desportiva, dá cabo da competição... Será que hoje em dia têm a mesma confiança na competição como tinham antes da divulgação dos emails? Não é verdade que nós adulteramos emails", concluiu.