Futebol

Ligas Europeias reforçam defesa das competições nacionais

Ligas Europeias reforçam defesa das competições nacionais

O grupo das Ligas Europeias, que agrega 32 ligas e cerca de 900 clubes, defendeu na terça-feira o desempenho dos clubes nas competições nacionais como principal critério para acederem à Liga dos Campeões de futebol.

"Muitos clubes manifestaram-se de forma muito clara, incluindo clubes e representantes da Associação Europeia de Clubes (ECA). As competições nacionais têm de ser a base das competições internacionais", começou por afirmar o presidente das Ligas Europeias, Lars-Christer Olsson, em conferência de imprensa.

Após uma reunião entre as Ligas Europeias e mais de 240 clubes, que decorreu em Madrid, para discutir possíveis alterações às competições de clubes da UEFA após 2024, Olsson foi perentório.

"A grande maioria dos clubes, com exceção de alguns ricos e poderosos, defende que o mérito desportivo é que deve ser o fator decisório de quem participa nas competições internacionais", vincou.

Os emblemas reunidos, na sua maior parte, voltaram a manifestar-se contra a proposta colocada à consideração pela ECA, que prevê um maior número de jogos entre os clubes mais poderosos - possivelmente com adoção de grupos de oito equipas e não quatro - e a possibilidade de os mais bem classificados nesses grupos assegurarem presença na edição seguinte da Liga dos Campeões.

Lars-Christer Olsson lembrou que as alterações vão beneficiar, sobretudo, os clubes de topo da Europa, que, assim, terão a participação na prova assegurada, independentemente do desempenho que tenham nas competições internas.

As ligas europeias querem ver mais vencedores de campeonatos nacionais a terem acesso direto à fase de grupos da Liga dos Campeões, ao invés de terem de passar por mais rondas de qualificação para atingirem aquela fase.

O presidente da Liga espanhola, Javier Tebas, anfitrião da reunião, também criticou as alterações propostas pela elite do futebol europeu.

"Toda a indústria do futebol seria afetada com essas alterações", disse, deixando em aberto avançar com ações judiciais caso as mudanças sejam efetivadas: "Seria um cenário extremamente complicado."

As Ligas Europeias reúnem-se, esta quarta-feira, com o Comité Executivo da UEFA, com a intenção de discutir as alterações pretendidas pela ECA.