Desporto

Mais de 40 mil mulheres substituíram homens nas bancadas do Fenerbahçe

Mais de 40 mil mulheres substituíram homens nas bancadas do Fenerbahçe

Uma medida radical da Federação de Futebol da Turquia proíbe os homens de assistir aos jogos das equipas que tenham sido punidas por actos violentos dos adeptos, permitindo apenas a presença nas bancadas a mulheres e crianças. Uma moldura humana invulgar nas bancadas. Veja o vídeo.

Os fãs de futebol turcos não são conhecidos pela sua tranquilidade nas bancadas, mas sim pelos habituais casos de violência. No passado mês de Julho, decorria o jogo amigável Fenerbahçe-Shakhtar Donetsk quando os adeptos da equipa de Istambul invadiram o campo.

Em vez de optar pelo castigo habitual de jogos à porta fechada, a Federação de Futebol decidiu inovar e proibiu os homens de entrar nos estádios nas partidas do Fenerbahçe. Só mulheres e crianças com idade inferior a 12 anos é que podem assistir aos encontros.

A federação justificou a medida em comunicado: "É pioneira no futebol mundial, não haverá mais silêncio e jogos sem emoção, jogados sem espectadores. A mudança fará as equipas lembrarem-se da beleza e dos valores do futebol".

O Fenerbahçe optou por distribuir cerca de 27 mil bilhetes grátis a mulheres e crianças para o primeiro jogo de castigo com o Manisaspor, em Istambul, que decorreu na quarta-feira, no estádio Sukru Saracoglu.

A partida iniciou-se com um evento simbólico onde ambas as equipas atiraram flores às "novas" claques, constituídas apenas por mulheres e crianças. "Vou sempre recordar esta noite. Não é normal ver tantas crianças e mulheres no estádio", afirmou o capitão da equipa turca, Alex de Souza.

A atmosfera fez lembrar os grandes jogos e a ausência dos homens nas bancadas não se fez sentir a nível de apoio, apesar da equipa da casa não ter ido além de um empate a uma bola.

A imprensa turca deu grande destaque ao caso, com títulos como "Revolução feminina no Fenerbahçe" ou "Dia mundial da mulher do Fenerbahçe".