Expressão facial

O que se viu no rosto de Cristiano Ronaldo durante o Euro

O que se viu no rosto de Cristiano Ronaldo durante o Euro

Seleção portuguesa é o exemplo dos extremos emocionais: passou da tristeza a uma alegria marcada.

Cristiano Ronaldo foi o jogador do Campeonato da Europa de Futebol que mais demonstrou cólera, alegria e tristeza. E o que se viu no rosto do capitão da seleção nacional na final do Euro 2016, a 10 de julho, em França? O Laboratório de Expressão Facial da Emoção (FEELab) da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, analisou as lágrimas, de alegria e de tristeza, e a dor do jogador, recorrendo a uma nova tecnologia de reconhecimento real automático e um outro sistema que permitem medir os marcadores faciais e a intensidade associada.

Os resultados revelam um pico de dor na cara de Cristiano Ronaldo no lance polémico com o jogador francês Payet, que se mantém por 12 segundos. E a intensidade varia entre fortemente marcada, severa e extrema nos marcadores ou ações faciais. "Era humanamente impossível ao atleta continuar a jogar, e este é um real exemplo ilustrativo da implicação da expressão facial de dor", adianta Freitas-Magalhães, diretor do FEELab. Ronaldo saiu de campo lesionado, mas, depois do golo de Éder e do apito final do árbitro, foi alegria que mais se viu no seu rosto. "O exemplo de Cristiano Ronaldo é paradigmático no contexto da expressão facial da emoção", acrescenta o responsável.

Há mais resultados. A seleção portuguesa, campeã da Europa, é o exemplo dos extremos emocionais ao passar da tristeza a uma alegria bem vincada. Tristeza num arranque sem vitórias e uma alegria imensa com a conquista da taça mais desejada. A equipa francesa, que perdeu a final, evidenciou elevados índices de tristeza e de surpresa. E a seleção islandesa foi a que revelou menores índices de medo em campo.

O estudo do FEELab "A neuropsicofisiologia da expressão facial da emoção: estudo de caso com jogadores no Campeonato da Europa de França" traçou um padrão da expressão facial dos protagonistas do Euro 2016. Cólera foi a expressão emocional mais exibida nos rostos de quem vestiu a camisola para dar tudo por tudo em França. Houve também alegria e tristeza nas caras dos jogadores. Aversão e medo nem por isso. O padrão da expressão facial nas imagens analisadas demonstra, por esta ordem e intensidade que vai diminuindo, cólera, alegria, tristeza, surpresa, desprezo, aversão e medo.

A cólera serve para mostrar aos adversários quem tem mais poder dentro das quatro linhas. "O congruente estado instintivo que suporta a reação emocional é notório e confirma que, num quadro de competição, a exibição emocional é também uma demonstração de conduta humana, elevada, por vezes ao extremo da agressividade, pretendendo-se, em primeiro lugar, que os adversários vislumbrem quem tem o poder", comenta Freitas-Magalhães. Um dos objetivos do estudo foi, aliás, verificar a consistência do padrão encontrado em outras pesquisas e outras competições, como campeonatos do Mundo e jogos olímpicos. "E, de facto, comprovou-se a relevância da evidência do poder em contexto desportivo".

Verificar a frequência e a intensidade da expressão facial em jogadores de diversos países e grupos étnicos diferenciados em contexto de competição foi objeto deste estudo. E os resultados, segundo o diretor do FEELab, confirmam que "a interação humana, ao nível do exercício competitivo, e independentemente dos grupos étnicos, potencia a evidência das emoções básicas mais comuns". "O estudo não pretendeu particularizar a expressão facial deste ou daquele jogador, mas sim verificar um padrão de comportamento facial. Aliás, as diferenças entre os jogadores que mais frequente e intensamente exibem a cólera são residuais", sublinha. No entanto, Ronaldo foi objeto particular do estudo do FEELab quanto à exibição das lágrimas e da dor.

Depois do campeonato da Europa, o FEELab da Universidade Fernando Pessoa vai estudar as expressões faciais dos atletas presentes nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no Brasil, que arrancam a 5 de agosto.

ver mais vídeos