Dakar

Problema mecânico afasta Peterhansel e Sainz é o novo líder

Problema mecânico afasta Peterhansel e Sainz é o novo líder

O espanhol Carlos Sainz (Peugeot) é o novo líder do 40.º Rali Dakar, depois de este sábado ter vencido a sétima etapa nos carros e de o francês Stephane Peterhansel (Peugeot) ter perdido quase duas horas por problemas mecânicos.

O espanhol, que antes do início da etapa era segundo da geral, a 27.10 minutos do colega de equipa Peterhansel, completou os 413 quilómetros cronometrados da especial em 4:49.26 horas, conquistando a segunda etapa consecutiva.

O "Senhor Dakar", bicampeão em título e 13 vezes vencedor da prova, perdeu uma hora e 45 minutos quando ficou parado ao quilómetro 186, enquanto resolvia problemas na suspensão.

A etapa de sábado era de "maratona", o que significa que os pilotos não podiam receber assistência mecânica até ao final do dia. O colega de equipa e compatriota Cyril Despres, já arredado da corrida pela vitória, parou para ajudar Peterhansel.

Num dia marcado pelo mau tempo, com a lama a dificultar o caminho, e pela altitude, com grande parte da etapa decorrida a mais de 3700 metros de altitude, Sainz, que já era o único piloto capaz de ameaçar a liderança do "Senhor Dakar", saiu com uma grande vitória.

Além do afastamento de Peterhansel, o rival mais próximo, o catari Nasser Al-Attiyah (Toyota), este sábado terceiro, está a 1:11.29 horas de distância, com o sul-africano Giniel de Villiers (Toyota) no quarto lugar, a 1:20.54, depois de ter sido segundo na etapa.

O anterior líder é agora terceiro, a 1:20.46 horas, e terá pela frente, na etapa de domingo, o derradeiro exame ao Peugeot antes de poder ser assistido.

Vencedor em 2010, Sainz tem agora uma vantagem confortável para gerir em relação a Al-Attiyah, campeão em 2011 e 2015, e a Villiers, que triunfou em 2009.

O português Carlos Sousa (Renault Duster) recuperou dos problemas que o fizeram perder tempo na sexta-feira, terminando a tirada em 23.º e entrando de novo no top 20 da geral, para o 19.º posto, a 11:26.13 horas de Sainz.

Nas motos, o espanhol Joan Barreda continuou a recuperação na tabela, ao vencer a sétima etapa, mas sofreu uma lesão no joelho esquerdo, no último troço da etapa, e pode ter comprometido de novo as aspirações à vitória final.

O espanhol completou a especial do dia em 5:11.10 horas, seguido do francês Adrien van Beveren (Yamaha), que retomou a liderança, por troca com o argentino Kevin Benavides (Honda), que foi terceiro.

Barreda subiu ao terceiro lugar da geral com a terceira vitória em sete etapas, estando agora a 4.45 minutos de Beveren, mas a lesão pode ainda obrigá-lo a desistir.

O único português ainda em prova é Fausto Mota (Tesla-Tamega Rally), que foi 43.º na etapa, tendo "galgado" mais de 10 posições, para o 44.º posto na geral.

No domingo, os corredores voltam a encontrar-se com o mau tempo e as dificuldades da altitude na chegada à cidade boliviana de Tupiza, com 498 quilómetros cronometrados de um total de 585.

Em Tupiza, os carros poderão ser assistidos pelos mecânicos, pelo que Carlos Sainz, agora a grande aposta da Peugeot para ganhar o último Dakar da marca, deve preservar o carro e gerir a vantagem.

ver mais vídeos