Futebol

PSG campeão de França no sofá

PSG campeão de França no sofá

O Lille, segundo classificado da liga francesa de futebol, concedeu este sábado um empate 0-0 no terreno do Toulouse, em jogo da 33.ª jornada, permitindo ao Paris Saint-Germain sagrar-se bicampeão, a cinco rondas do final do campeonato.

Depois de ter goleado por 5-1 os parisienses na ronda anterior, o Lille, que contou com os portugueses José Fonte e Rafael Leão de início e Rui Fonte como suplente utilizado, não teve arte nem engenho para ultrapassar o 15.º colocado da "Ligue 1".

O triunfo dos "dogues" era o único resultado que impediria o PSG de revalidar imediatamente o título, agora sob o comando técnico do alemão Thomas Tuchel, que, assim, confirmou a conquista do oitavo troféu de campeão do clube parisiense, o sexto nos últimos sete anos.

O PSG vai entrar ainda este domingo em campo às 20 horas (hora de Portugal continental) para receber o Mónaco, já com a certeza de que não pode ser desalojado da liderança, independentemente do desfecho do jogo com a equipa monegasca, treinada pelo português Leonardo Jardim, e dos restantes cinco até ao fim da época 2018/19.

A consagração do Paris Saint-Germain culmina uma época em que o clube foi líder do princípio ao fim, muito antes do final de um campeonato sem concorrência.

Com novo treinador para a época 2018/19, o alemão Thomas Tuchel, a história do PSG não mudou em quase nada no seu naipe de jogadores, embora tenha sobrevivido às ausências prolongadas de Neymar e Cavani, ambos lesionados.

Os internacionais brasileiro e uruguaio fazem parte das joias da coroa da equipa, mas Neymar fez apenas 13 jogos na "Ligue 1" e Cavani 16, numa equipa em que foi Kylian Mbappé a assumir papel crucial.

O jovem campeão do mundo contribuiu para o título com 27 golos (lidera os marcadores da Liga) e seis assistências, numa equipa em que o argentino Di Maria também continua a ser influente.

A diferença para esta temporada aconteceu apenas na mudança do rival, que não foi o Mónaco, e oscilou entre Marselha, Montpellier, Lyon, e, finalmente, o Lille, que na última lutava para não descer de divisão.

Foi uma questão de dias até que o PSG garantisse matematicamente o título, embora a formação de Paris não se tenha livrado na última ronda, em que lhe bastava o empate para chegar ao título, de uma estrondosa derrota por 5-1 na casa do Lille, de José Fonte, Xeka, Rui Fonte e Rafael Leão.

Esta coroa assinala o bicampeonato para o PSG, num percurso de incontestável domínio no futebol gaulês, apenas interrompido em 2016/17. Nessa época ganhou o Mónaco, que contava com Bernardo Silva e Mbappe e era treinado por Leonardo Jardim.

Nas últimas sete temporadas o PSG conseguiu seis títulos de campeão (2018/19, 2017/18, 2015/16, 2014/15, 2013/14 e 2012/13), o que lhe permitiu chegar aos oito campeonatos, igualando as conquistas do Mónaco e do Nantes.

Os parisienses, que, antes desta quase década, tinham sido campeões pela última vez com o treinador português Artur Jorge (1993/94), estão agora a um título de alcançarem o Marselha (nove) e dois do Saint-Etienne (10), o clube com mais troféus.