Taça da Liga

Secundário Moreirense agudiza "jejum" do Sporting para cinco jogos sem vencer

Secundário Moreirense agudiza "jejum" do Sporting para cinco jogos sem vencer

O secundário Moreirense garantiu, esta quinta-feira, um empate (1-1) na visita ao Sporting, que desaproveitou oportunidade de se aproximar das "meias" da Taça da Liga de futebol, elevando para cinco a série de jogos sem vencer.

Nesta segunda ronda do Grupo A da terceira fase da competição, os lisboetas adiantaram-se no marcador por intermédio do espanhol Capel, aos 28 minutos, mas viram-se contrariados, aos 34, pelo francês Ghilas.

Uma grande penalidade desperdiçada pelo búlgaro Bojinov, já nos descontos, foi o espelho de um conjunto "verde e branco" sem força e engenho para se superiorizar à impecável estratégia e organização do segundo classificado da Liga de Honra.

O Moreirense somou, assim, o seu primeiro ponto na prova, menos um do que Rio Ave e Sporting, o qual deixou de ser dono do seu destino nesta competição, ao receber na terceira ronda o Gil Vicente (quatro pontos).

O treinador do Sporting, Domingos Paciência, manteve as "peças" habituais, mas concedeu a titularidade ao guardião brasileiro Marcelo e incluiu Carriço no meio-campo, enquanto o uruguaio Ribas voltou a ocupar o lugar de ponta-de-lança.

Jorge Casquilha, técnico do Moreirense, apresentou um esquema em 4-2-3-1 para combater contra o 4-3-3 dos anfitriões, no qual o brasileiro Tales e o Maurício Bru faziam de "tampão" no meio campo, deixando Ghilas a solo na frente.

Sempre que os "leões" variavam de flanco, um "cónego" a mais surgia ao caminho, de olho nos espaços cedidos pela defesa sportinguista. Só de bola parada, aos 17 minutos, o holandês Schaars incomodou o guarda-redes Ricardo.

Mais tarde, após Ghilas aproveitar uma "avenida" perto da área "verde e branca" e testar os reflexos de Marcelo, a equipa da casa aproveitou o balanceamento ofensivo do Moreirense para inaugurar o marcador.

A defesa moreirense não conseguiu aniquilar completamente um contra-ataque dos "leões" e o alívio acabou por bater num companheiro de equipa, no chão, e rumar a Capel, que, sem dificuldade, inaugurou o marcador, aos 28 minutos.

Novo "buraco" defensivo do Sporting deu espaço a Luís Pinto para cruzar da direita, com conta, peso e medida para o espectacular "moinho" de Ghilas, a empatar a partida, aos 34. Os mesmos protagonistas podiam mesmo ter colocado os visitantes em vantagem antes do intervalo, mas o português não teve o mesmo sucesso.

Nos primeiros 20 minutos da segunda parte, já com o chileno Matias Fernandez e Bojinov nos lugares de Carriço e Ribas, o Sporting apareceu mais veloz e criativo, mas sem poder de definição capaz de incomodar o competitivo Moreirense.

Com o cronómetro a não dar tréguas, a clarividência foi sendo perdida pelos da casa, ao passo que os visitantes aparentavam uma calma olímpica na hora do "aperto", sem descurar algumas incursões até à baliza de Marcelo.

Até final, muitos lances individuais do jogadores sportinguistas e poucas movimentações colectivas capazes de ultrapassar a "muralha" de Moreira de Cónegos.

Mesmo um penalti, já nos descontos, por alegada falta de Augusto sobre Jeffren, originou discussão entre Matias e Bojinov sobre a marcação do mesmo e o búlgaro permitiu a defesa a Ricardo, incendiando as bancadas de Alvalade, cujos adeptos já não saboreiam a vitória desde a recepção ao Marítimo (3-0), na Taça de Portugal, em 22 de Dezembro, seguindo-se quatro empates e uma derrota em todas as provas.