Futebol

Selecionador mexicano acusa F. C. Porto de "simular a verdade" sobre Corona

Selecionador mexicano acusa F. C. Porto de "simular a verdade" sobre Corona

O selecionador mexicano acusou, esta terça-feira, o F. C. Porto de mentir sobre a lesão de Corona. É a resposta do México a um comunicado dos "dragões" a explicar a ausência do atleta da seleção mexicana, na segunda-feira.

A polémica continua. Depois de, na segunda-feira, o F. C. Porto ter emitido um comunicado no qual explica a lesão de Corona, o selecionador mexicano voltou a abordar a ausência do avançado na seleção tricolor.

Na nota emitida pelo clube azul e branco, O F. C. Porto garantiu que a federação mexicana tinha sido "informada da lesão do jogador e da sua impossibilidade para treinar no período preparatório das seleções" e que "o próprio Corona se disponibilizou para se deslocar ao México e ser avaliado pelos médicos da seleção mexicana".

Ora, em conferência de imprensa, o selecionador Gerardo Martino desmentiu a explicação do F. C. Porto, acusando os dragões de "simular a verdade".

"Se o F. C. Porto diz que a federação lhe deu autorização, gostaria de saber quem foi, já que falei com o jogador no domingo antes de viajar. Se assim foi, estamos numa sintonia diferente", disse o selecionador argentino.

"Conto o sucedido com o Corona e podem acreditar em mim ou não. Mas quando do outro lado querem simular uma verdade, tenho de esclarecer. Gostaria apenas de saber com quem o F. C. Porto falou, já que falei com o jogador antes de vir para os EUA", disse o selecionador, garantindo que Corona não sairá prejudicado pela situação.

"Não há que prejudicar Corona. O que me interessa é falar com o jogador. O que achamos é que o jogador não deve sair prejudicado. Mas gostaria que fossem sinceros, porque eu conto a verdade".

Corona foi convocado por Gerardo Martino para os particulares frente ao Chile e ao Paraguai, nos EUA, mas não se apresentou na seleção mexicana devido a lesão. Uma decisão que causou polémica já que o selecionador explicou que, num primeiro contacto com o atleta, o jogador concordou em viajar com a equipa, mesmo impedido de jogar.