FCP

Subscrição de obrigações da F. C. Porto SAD supera 10 vezes a oferta

Subscrição de obrigações da F. C. Porto SAD supera 10 vezes a oferta

O F. C. Porto anunciou hoje que a subscrição de obrigações da SAD, no valor nominal de dez milhões de euros, teve uma procura dez vezes superior à oferta e que a emissão teve o maior fator de rateio em operações de Sociedades Desportivas.

A operação, a quinta realizada desde que o F. C. Porto entrou no mercado de capitais, faz hoje precisamente 13 anos, registou uma procura acentuada nos últimos dias de maio dos dois milhões de títulos, que vencem em 2014.

"Os números falam por si. Numa emissão de dois milhões de obrigações, tivemos uma procura de 19 183 911, com um fator de rateio de 0.10, dos mais fortes em qualquer emissão do F. C. Porto e de SAD. Os números são arrasadores. É uma vitória à F. C. Porto", disse Angelino Ferreira, administrador da SAD portista, na Bolsa depois do final da sessão especial.

Considerando que a operação "é um bom exemplo" de captação de fundos no mercado, o administrador da SAD dos "dragões", que justificou a ausência de Pinto da Costa por motivos particulares, realçou que "o F. C. Porto é clara e inequivocamente a marca desportiva com maior expressão nos mercados nacionais e internacionais".

Angelino Ferreira, acompanhado dos também administradores da SAD do F. C. Porto Adelino Caldeira e Eduardo Valente, realçou o modelo empresarial e salientou "uma liderança fortíssima, a gestão, o talento e 'know how' de todos e o sucesso desportivo".

Elementos que Angelino Ferreira classificou de "diferenciadores", escusando-se a falar das outras duas SAD cotadas em bolsa (Benfica e Sporting).

Por seu lado, Luís Laginha de Sousa, presidente do Conselho de Administração da Bolsa de Lisboa, assinalou após o simbólico encerramento da operação, com o tocar do sino, o facto de se completar hoje 13 anos do F. C. Porto como entidade cotada no mercado de capitais.

Laginha de Sousa referiu que "desde que está cotado na bolsa o F. C. Porto conquistou 28 troféus" e que, em cinco operações (quatro emissões de obrigações e uma emissão de 'warrants' autónomos), a SAD portitsa já "encaixou 94 milhões de euros".

O administrador da Bolsa de Lisboa realçou ainda o sucesso da operação da SAD do F. C. Porto, "num momento em que de dificuldades de financiamento", reconhecendo ainda que "a bolsa tem sido importante para a credibilização da indústria do futebol" e que a presença no mercado de capitais "é um elemento de boas práticas e de transparência".

Os juros das obrigações são anuais e fixam-se em oito por cento.

A operação registou um total de 2.954 investidores (2.892 em Portugal, 42 na Europa e os restantes 20 no resto do Mundo), com a maior franja (1.406) a adquirirem de 100 a 500 obrigações.

O empréstimo destina-se ao funcionamento da actividade corrente da SAD, permitindo ainda consolidar o passivo num prazo mais alargado.