Futebol

Jorge Jesus: "Relação com Vieira após sair do Benfica não foi de amizade"

Jorge Jesus: "Relação com Vieira após sair do Benfica não foi de amizade"

Jorge Jesus recordou a saída do Benfica e não esquece o golo de Kelvin, no Estádio do Dragão: "Ainda hoje penso nisso".

Em 2015, seis anos depois de ter chegado ao Benfica, Jorge Jesus mudou-se para o Sporting, naquela que foi a grande surpresa no mercado de transferências nesse ano. Este domingo, o agora treinador do Flamengo recordou o episódio, afirmando que a amizade com Luís Filipe Vieira ficou afetada.

"A relação com o presidente do Benfica tem sido de amizade. É verdade no primeiro ano após sair do Benfica não foi. A minha saída do Benfica não foi do consenso geral principalmente dos benfiquistas e dele, que tomou essa opção. Mas já passou. Hoje sou treinador do Flamengo. Falo muitas vezes com o presidente do Benfica. Falo às vezes por telefone", começou por dizer à BTV.

Ainda sobre a relação com o líder dos encarnados, o treinador recordou o ano 2013, quando Luís Filipe Vieira segurou Jorge Jesus no comando técnico, mesmo após o Benfica ter perdido o campeonato e duas finais - Liga Europa e Taça de Portugal.

"A equipa ficou arrasada após a primeira final com o Chelsea. São situações emocionais e isso levou-nos a perder o jogo com o Vitória de Guimarães na final da Taça de Portugal. Tinha a possibilidade de poder sair porque acabava contrato", lembrou.

"Não tinha ganho mas há uma diferença muito grande: os que não ganham e os que não ganham mas chegam lá para ganhar. Quem chega para ganhar, não ganhando, está muito próximo de o fazer. Foi por isso que o presidente do Benfica, o Domingos Soares de Oliveira e o Rui Costa, numa reunião, me convidaram para renovar por mais quatro anos. Só renovei por dois porque era muito tempo. Nos dois anos seguintes, o Benfica em Portugal ganhou tudo", sublinhou.

Em seis épocas, Jorge Jesus conquistou três campeonatos, uma Taça de Portugal, cinco Taças da Liga e uma Supertaça no Benfica. Mas há um momento que não esquece: o golo de Kelvin em 2012/13, no Estádio do Dragão, já nos descontos, que deu a liderança do campeonato ao F. C. Porto a uma jornada do fim da Liga. "Ainda hoje penso no que aconteceu... É quase impossível aquilo acontecer! O futebol tem impossíveis. Isto não tem lógica nem é uma ciência exata", afirmou.