Futebol

"Julga ter o direito de escolher os árbitros". F. C. Porto acusa Vieira

"Julga ter o direito de escolher os árbitros". F. C. Porto acusa Vieira

Na newsletter "Dragões Diário" desta quinta-feira, o F. C. Porto acusa o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, de julgar "ter o direito de escolher os árbitros que dirigem jogos do Benfica e os que devem ser ostracizados", com o objetivo de "condicionar".

O clube portista lamenta ainda o "violento ataque à arbitragem por parte de quem, há não muito tempo, propôs que as críticas aos árbitros resultassem em perda de pontos no campeonato".

"Nenhuma equipa gosta de perder, nenhuma equipa gosta de ser eliminada de uma competição, nenhuma equipa gosta de cair aos pés de um rival. Quando isso acontece - e, infeliz e inevitavelmente, isso também acontece por vezes com o FC Porto - há duas formas de lidar com o insucesso: olhar para dentro, identificar os problemas e procurar caminhos para resolvê-los; ou tentar virar o bico ao prego, disparar para fora e imputar aos outros as culpas próprias. Depois da derrota de terça-feira, o Benfica optou pelo segundo caminho. Por nós, tudo bem. Se o objetivo é discutir a arbitragem das meias-finais da Taça da Liga, também temos os nossos contributos", começa por escrever o F. C. Porto na newsleter, expondo depois sete pontos, num deles recordando uma entrevista de Vieira.

"Recuamos até 9 de novembro de 2017, dia em que Luís Filipe Vieira deu uma entrevista à BTV e partilhou um desgosto: 'Fábio Veríssimo não apita o Benfica porquê?' Na altura, Vieira clamava por Fábio Veríssimo. Anteontem, em Braga, procurou decretar o fim da carreira do árbitro de Leiria: 'Esse homem não pode apitar mais!' Nestes momentos, quando perde a cabeça, Vieira revela-se e expressa em público aquilo que habitualmente mantém mais reservado: trata-se de alguém que julga ter o direito de escolher os árbitros que dirigem jogos do Benfica e os que devem ser ostracizados. O objetivo é sempre o mesmo: condicionar, condicionar, condicionar", acusam os azuis e brancos.

O F. C. Porto recorda ainda dois lances "que o Benfica, a comunicação social afeta ao Benfica e os cartilheiros têm feito de conta que não existiram": um penálti que terá ficado por assinalar para os "dragões" aos oito minutos e o segundo amarelo alegadamente poupado a Seferovic.

"Curiosamente, o lance que motivou mais críticas foi um fora de jogo que, de acordo com a única imagem com linha disponibilizada pela SportTV, foi bem assinalado pelo árbitro assistente (e não pelo VAR, como os porta-vozes do Benfica têm dito erradamente). É fora de jogo por um pé, sim. Tal como houve fora de jogo por um pé, como bem recordou o nosso treinador, num golo do Portimonense contra o Benfica que foi anulado pelo videoárbitro Fábio Veríssimo na temporada passada", atira.

Benfica "beneficiou de erros graves na fase de grupos"

O F. C. Porto salienta que "venceu porque foi melhor do que o Benfica", mas diz-se pouco surpreendido "que isso seja colocado em causa por quem está a ser investigado por possível corrupção de equipas de arbitragem, de jogadores adversários, de clubes adversários, de observadores, de delegados da Liga, de funcionários judiciais e até de magistrados".

O clube azul e branco assinala que o Benfica "não deveria ter tido a oportunidade de fazer estas críticas, simplesmente porque não deveria sequer ter participado na 'final four' da Taça da Liga".

"Isso só aconteceu porque o Benfica beneficiou de erros graves dos árbitros, com impacto direto nos resultados, nos três jogos que disputou na fase de grupos da competição", conclui o F. C. Porto.

Outros Artigos Recomendados